Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Inveja e Admiração

Publicado por Carlos Bittencourt Almeida em Psicologia
data: 21/03/2011

Podemos invejar ou admirar o que o outro tem: dinheiro, amizades, emprego, família, fama, objetos, propriedades. Ou o que o outro é: belo, inteligente, alegre, competente, bondoso, forte, persistente, gentil.

Há um tipo de inveja que se expressa como ódio, uma inveja delinqüente. Quero destruir aquele que é ou tem mais do que eu. Quero me vingar da­quele que eu invejo. “É uma ofensa pessoal que ele seja mais do que eu, uma injustiça que merece castigo”. É uma inveja que nasce da preguiça. “Não quero tentar construir uma vida melhor para mim. Sinto-me infeliz e quem está melhor do que eu está me roubando. Merece ser destruído, caluniado, prejudicado.”

Um outro tipo de inveja nasce da tristeza, do sentimento de inferio­ridade, de impotência. “Eu não posso, eu não consigo, eu nunca vou chegar lá. Acho a vida tão difícil, eu sou tão fraco. Como me dói ver estas pesso­as que são tão melhores do que eu. Eu gostaria tanto de conseguir, mas nada dá certo para mim. A vida não ajuda e, quando posso, faço tudo errado”. Esta é uma inveja passiva. A pessoa se sente congelada. Não sente a vida em si, não percebe que o impulso de crescer mora em cada um de nós, mas que toda conquista é lenta. Tudo se constrói, se transforma muito lentamente. Mas é assim que as grandes obras são feitas. Fruto de anos de trabalho paciente, de espera ativa e construtiva.

A admiração é o olhar encantado, respeitoso, que colocamos naquele que é melhor do que nós. Uma alegria diante do belo que se expressa no outro e,, ao mesmo tempo, o desejo de aprender. A admiração também pode cau­sar dor, as qualidades do outro revelam minhas fragilidades, minhas omissões. Posso sentir vergonha e não conseguir ainda aquilo de que o outro é capaz. Mas é uma dor construtiva, que sacode, desperta, impulsiona para adiante.

A admiração nasce da aspiração, de ideais. Se alguém através da força de seu exemplo, de sua presença, corporifica algo que aspiramos, somos fortalecidos em nossa aspiração. “Aquilo que um ser humano é capaz de realizar e ser, eu também o posso conseguir”. Da a certeza de um ideal possível, realizável. A admiração pode ser despertada por alguém que conhecemos pessoalmente ou que tomamos contato através de uma biografia ou autobiografia. Ela está dentro de nós, como uma semente. Traz latente a força e beleza de futuras conquistas.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Psicologia

Carlos Bittencourt Almeida - Psicólogo Clínico e escritor, residente em Belo Horizonte - MG Consultas online? envie suas perguntas.
Comentário
  1. Sânia Maria Campos

    As vezes quando uma pessoa vive uma situação positiva , de alegria, de conquistas comenta-se: Ah que inveja! Mas é no sentido de comemorar juntos e de admiração. Mas a inveja que destrói não é querer ter ou ser como o outro e sim não suportar que o outro possa ter e ser. Infelizmente isto existe nas relações entre as pessoas e é uma experiência complicada, principalmente quando o invejoso é seu chefe. Assédio moral nas organizações tem muito a ver com tudo isto. Abs, Sânia

Deixe um comentário