Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Homens Perigosos

Publicado por Carlos Bittencourt Almeida em Psicologia
data: 26/12/2011

Neste artigo não estará em foco o assassino, o estuprador, o torturador. Os jornais diários falam bastante destes personagens e eles tem adequada cobertura no código penal brasileiro. Existe um tipo de homem que pratica uma violência mais sutil, mais inteligente, que não deixa marcas no corpo e sim no interior das pessoas, invisíveis, impalpáveis, mas frequentemente muito dolorosas.

A mulher jovem, em busca do grande amor de sua vida, aquele com o qual se casará e terá filhos, não raramente encontra homens que falam a linguagem que toca seu coração. Homens que em poucas semanas ou meses de namoro já falam em casamento, tem pressa para casar, querem ter filhos o mais rápido possível. Diante de tantos homens jovens que fogem de compromisso, escorregadios, que querem apenas ‘ficar’, homens assim tão desejosos de um compromisso sério parecem um achado raro e precioso.

Já durante o namoro aparecem pequenos sinais. Estes homens desejosos de compromisso rápido costumam ser ciumentos, às vezes muito ciumentos, possessivos. Controlam tudo que a amada faz, onde vai, com quem se encontra. Ligam frequentemente, querem relatório, falam longamente sobre a importância da fidelidade, de viverem um para o outro, de fugir das más companhias. Preferem que sua amada se afaste das amigas e que conviva pouco com a própria família. Querem ser o centro absoluto da vida da namorada. Não querem que ela ouça maus conselhos de suas amigas ou que tenha delas maus exemplos. Querem que se afaste de sua própria família, porque ela agora terá a sua família, seus próprios filhos e precisa afastar-se de sua família de origem porque deve desenvolver sua independência, confiar nele, seu namorado, noivo e futuro marido e afastar-se de todas as influências prejudiciais.

Não raramente começa a semear na mente da namorada ou noiva a idéia de que não é necessário que ela trabalhe, que ele é homem o bastante para sustentar ela e os filhos. Se ela ainda é estudante, vigia-a com rigor. Nada é pior do que o ambiente de uma escola, entre pessoas de ambos os sexos, para desviar uma noiva do bom caminho.

Se ele for cauteloso o bastante consegue que a noiva ou jovem esposa fique grávida, porque aí terá que abandonar o trabalho ou os estudos, para ser uma mãe dedicada em tempo integral. A partir da gravidez um novo homem começa a aparecer. Se antes era zeloso, carinhoso, paciente, dedicado, por vezes até humilde e suplicante, querendo o tempo, atenção e carinho da namorada ou esposa, agora começa a relaxar. Chega mais tarde em casa, fica mais tempo com os amigos, fica mais impaciente com a esposa. Ao nascer o filho relaxa mais ainda. Mulher com um recém nascido é mulher bem presa, não oferece perigo importante, é pouco cobiçável, tem pouca mobilidade. O doce e dedicado namorado vai tornando-se arrogante, dá ordens, é ríspido, discute, impõe seus desejos, quer ser servido, não a ajuda cuidar do filho, arranja desculpas cada vez mais freqüentes para chegar tarde em casa, alega compromissos no trabalho ou simplesmente estava com os amigos, por que os homens precisam disto.

Muitas vezes já ouvi a esposa dizer: ‘Ele está casado mas quer ter vida de solteiro’. Cuidando de um bebê, sem profissão, afastada das amizades e da família a mulher fica refém da situação. Chora em silêncio, se amargura e tenta dedicar-se ao filho, tirar da maternidade sua principal alegria. Com o tempo o filho cresce um pouco, ela começa a pensar em voltar aos estudos ou trabalhar. Ele dificulta ao máximo, fica bravo e começa a desejar ter mais um filho. Se teve uma menina, agora quer um menino e vice versa. Alega que filho único fica mimado e problemático. Insiste, insiste até que a mulher cede porque em geral gosta de ser mãe, acha que dois filhos ou um casal é melhor do que filho único. Com um novo bebê no lar o marido respira aliviado. ‘Agora fica mais difícil ela sair fora’. O casamento vai ficando cada vez pior.

Depois que os dois filhos já cresceram um tanto ela fala em separação. Mas com freqüência não tem para onde ir. Muitas vezes a família de origem não a quer de volta com 2 ou 3 filhos e sem renda. Como não se profissionalizou, se volta a trabalhar ganha pouco, não tem quem fique com os filhos, ou estes ficam mal cuidados. Muitas vezes mantém o casamento para não prejudicar os filhos. Aceita ‘servir’ ao marido sexualmente, porque já perdeu completamente o interesse nele depois de tanto sofrimento e decepção. Quando o recusa sexualmente há brigas violentas, verbais ou corporais. Ele a acusa de adultério. ‘Se você não me quer é porque está com outro’. Alguns homens ameaçam: ‘Se você separar de mim eu te mato e mato a tua família’. Muitas se conformam, se calam e vão levando.

Outros homens, não tão ferozes, quando a mulher se separa e volta para a casa dos pais, fazem assédio intenso. Choram, se dizem arrependidos, pedem perdão de joelhos, dizem que vão mudar, que querem mais uma chance, que ele não soube dar valor a ela, que não consegue viver sem ela, que vai se suicidar. Por semanas ou meses vigiam o tempo todo, não dão trégua, a procuram infindavelmente querendo conversar. Muitas mulheres então, na doce ilusão de que terão um marido melhor, já que ele soube reconhecer seus erros em público e com tanto sentimento, voltam a morar com ele achando que agora vai valer a pena, vai ser feliz.

Por algumas semanas ou meses ele fica melhor e aos poucos tudo vai voltando ao normal, ou então fica pior do que antes, porque o homem quer vingança por ter se humilhado tanto para tê-la de volta. Se for bastante esperto, faz com que ela engravide ainda no período em que está ‘bonzinho’, tentando convencê-la de que é um novo homem e que um filho vai unir o casal nesta nova fase.

O desfecho deste tipo de casamento é variável. Quando a mulher fica, às vezes torna-se depressiva e dependente de remédios psiquiátricos, outras vezes desenvolve doenças corporais graves. Às vezes consegue separar-se e refazer sua vida com outro homem, ou então depois de separada vive apenas para ser mãe, temerosa dos homens em geral.

Casar-se e ter filhos com um homem assim não é destino. É escolha. É imprudência. É preciso conviver longamente com alguém antes de decidir-se casar e ter filhos. A mulher que quer ser dona da própria vida necessita ficar alerta para não se deixar seduzir pela pressa masculina por casamento e filhos. Ter uma profissão, estudar o máximo para ter renda suficiente, jamais renunciar à própria carreira em prol de marido e filhos, manter laços íntimos com amigos e família. Não se isolar. Ter uma rede de apoio que possa ajudá-la a pensar e dar-lhe abrigo em caso de necessidade. Jamais renunciar ao sonho de viver um grande amor, ser exigente, não ficar com um homem cheio de defeitos apenas por medo da solidão. Se a solidão amorosa é ruim é ainda apenas um purgatório. Casar e ter filhos com um mau marido, isto sim é o inferno na Terra. Não precisamos passar por isto.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Psicologia

Carlos Bittencourt Almeida - Psicólogo Clínico e escritor, residente em Belo Horizonte - MG Consultas online? envie suas perguntas.
114 Comentários
  1. Antonio Flores

    Pura verdade !
    Gostei !
    No ensejo, desejo-lhe um “Feliz 2012 “!
    Forte abraço !

  2. Marli

    Do começo ao fim, o texto, impressionante, parece que conto a minha história pra vocês, de tão real!
    Quase caí nesta armadilha, saibam que há pouco tempo.
    Sorte que estou mais vivida, seria o meu segundo casamento.
    Mas logo que nos conhecemos ele já veio com esse papo de casamento…até que segurei um tempinho, com mais de um ano de namoro fui morar junto com ele pra ver, orientada pelo meu filho que já tem 21 anos.Pra quê?
    Mal entrei na casa, o homem começou à chegar nas madrugadas, ainda por cima vivia desconfiado, do mesmo jeitinho, me proibiu de ver até meus pais que são bem idosinhos e muito precisam de mim, principalmente agora.
    Logo de início quando percebeu que eu não cairia nesta, passou à me ameaçar!Daí que fui embora, no mesmo dia!Ainda contei para a mãe dele como ele me ameaçou porque sei que espalha para toda a família.
    O pior também, creio, gostaria de compartilhar por aqui com vocês.Ele me acusava de tudo de ruim, como traições, o que vinha à mente suja dele, como um louco!
    Com isto, difícil compartilhar aqui para ajudá-las, mas, preciso; junto com as acusações, ele me forçava às relações sexuais…chegava do trabalho quando no horário certo, às 02:00h, isso mesmo, 2 da madruga, claro, quando não alegava que perdia o ônibus…tentando resumir: ele chegava neste horário, exigia forçadamente sexo…ficou bruto demais, até nisso, mudou…imagina, sexo bem violento e demorado, com todo o respeito à vocês ele era bem dotado, e introduzia até o fim, com fortes estocadas em meu útero, como um animal, sempre!Isto por mais de uma hora!Porém dava 06:00h da manhã, no mesmo dia, cedinho…ele forçava tudo de novo!Eu toda dolorida, após poucas horas, por mais que eu tentasse com carinho saciá-lo de forma mais tranquila, ele não permitia e me violentava por assim dizer, creio…
    Sempre, ainda me acusava injustamente, alegando que não queria pegar aids, que era fiel, leal; sei que ele não era nada disso.E me acusava porque eu trabalhava e a idéia era me prender em casa, claro!
    Aguentei esta situação morando com ele por 20 dias, à duras penas…já sentia dores frequentes no baixo-ventre, bem próximo ao útero, fisgadas também no canal da vagina que doíam na alma!
    Um dia, quando ele discursava sobre a aids, na maior hipocrisia, eu disse para ele o seguinte: no que dependesse de mim, estaríamos bem longe disso, mas: o que é a tal aids, que uma vez diagnosticada, dá até qualidade de vida às pessoas, claro, dependendo do caso com devido tratamento 20 anos de vida ou mais…comparada à um tipo terrível de câncer, que muitas vezes ceifa uma vida em até 6 meses sem a menor chance??
    Falei deixando claro que era a minha situação ali, diante daquele pesadelo que eu vivia…sem contar que nem ao médico ele me deixava ir, quando pedi que fosse com mais cautela…enfim, mulheres, fiquem muito atentas!Pensem nisto
    Dependendo da criatura que nos unimos, podemos sim cair numa armadilha sem volta, como numa sentença de morte!
    abraço!

  3. Marli, agradeço teu comenbtário tão lúcido e corajoso. Você teve sorte, talvez por já não ser tão jovem, já ter um filho com 21 anos. Mulheres mais jovens se iludem muito mais facilmente, principalmente se for o primeiro casamento. Ninguém se casa pensando em separar, e o mais provável é que a mulher se submeta alguns anos atá perceber que caiu em uma armadilha.Um homem possessivo e tão cheio de lábia com frequencia dá à mulher a impressão de ser muito amada. Este tipo de homem só ama a si mesmo, são tremendos egoístas.

    • JOANA

      Exato! Vivi exatamente isso aos 22 anos de idade! Com muita coragem e cansada da loucura que já me seguia, me separei! A tortura psicológica era intensa! O seu texto foi uma total perfeição para o que eu quis sempre dizer, e pior, os amigos e familiares dele não conseguem acreditar neste homem que você descreveu, afinal, para os outros ele só demonstra o quanto ama sua mulher! Egoistas, perigosos, frios e calculistas!

  4. O que mais vejo nas ruas são meninas lindas com esses tipos de pessoas, minha vizinha é uma ficou gravida em 1 mes de namoro com um menino que vivia empinando moto e tirando racha, ela o achava o maximo pois bem deu no que deu, depois que ela teve seu filho ele meteu o pé na bunda dela e ja estava saindo com outra e por incrivel que pareçae essa já tava gravida dele. Bem não são os homens que não prestam é a mulher 90 porcento das vezes, pois se aceitam um canalha em sua vida, aguentem as consequencias. Pois alguem aqui ja viu algum homem namorar uma mulher tranqueira? Nunca na vida.

    • RODRIGO
      ACREDITO QUE NENHUMA MULHER ESCOLHE UM HOMEM PENSANDO QUE ESTÁ COM UM CANALHA. POR FALTA DE INTELIGENCIA,CARÊNCIA, INEXPERIÊNCIA NA VIDA, OU POR VALORIZAR CARACTERÍSTICAS SECUNDÁRIAS DE UM HOMEM E NÃO PERCEBER O PESO E CONSEQUÊNCIAS DE CERTOS DEFEITOS É QUE PERMANECEM COM AQUELE QUE VAI FAZÊ-LA SOFRER OU MESMO ARRUINÁ-LA.

  5. Lily Renata Cruz

    Minha nossa, mas este artigo definiu exatamente o que EU MESMA quase passei. Em 2005, com 14 anos, comecei em uma nova escola, começando o Colegial. A mesma escola onde meu irmão mais velho lecionava em algumas cadeiras do Ensino Técnico. Estudando no turno da noite, minha mãe curtiu a ideia pelo fato de meu irmão trabalhar lá e poder cuidar de mim. Era muito tímida e mantinha pouco contato até com meus colegas de turma/classe. Até que por volta de maio daquele ano, conheci um rapaz que estudava no 3º ano e trabalhava como segurança (inclusive saindo direto da escola para o trabalho). Os primeiros 4 meses de namoro foram uma maravilha, claro. Passado esse tempo, quando meu irmão demitiu-se da escola, ele passou a inventar todo tipo de mentiras e histórias estapafúrdicas, sobre todos que eu conhecia… inclusive meu pai e minha mãe!! (Ou seja: sem cunhado chato por perto, ele poderia falar o que quisesse, o que bem entendesse.) 2 besteróis marcantes que hoje em dia, solteira, livre e desimpedida, ao lembrar chego a rir de pena do sujeito: ele me confidenciou que tinha uma grande herança para receber (do pai falecido), e que MINHA MÃE (:P !!!) me daria em casamento, por conta dessa ‘riqueza’(?). Outra feita: ele levaria à justiça um dossiê em que denunciava todo o corpo docente da minha escola. Os ‘crimes’ envolveriam desde desvios de verba pública (meu colégio é estadual) até ESCÂNDALOS SEXUAIS entre professores. Por conta disso, ficava cada vez mais depressiva, a ponto de descontar até em gente da família minha raiva e não conseguir sequer estudar. Entre outras, ele chegou mesmo a afirmar que minha mãe me achava uma inútil e queria se livrar logo de mim (na tosca cabeça dele, sem ter pra onde ir depois de ser expulsa de casa, eu iria pra casa dele!! ahahaha…). Mas o estopim veio quando fui com ele à festa de aniversário de uma pequena sobrinha dele, e descobri o seguinte: o irmão dele morava junto com uma PROSTITUTA que já tinha 4 filhos antes de conhecê-lo (conta-se inclusive que ela perdera a guarda do 1º filho, por falta de condições). Voltando à festa, uma das crianças fizera uma malcriação de nada, e o irmão partiu pra cima do gurizinho com tapas e socos. Me indignei (até pq na família onde fui criada, não se tem esse tipo de… educação). Chamei meu namorado de cantinho e reclamei, ao que ele disse: ‘Ele é maior de idade e pode fazer o que quiser.’. Senti o golpe ali mesmo. Quando estava no meu 3º ano no colégio, consegui, dps de muita raiva e dor entaladas, terminar o meu namoro, e sofri uma série de acusações injustas por parte dele. Mas o que mais me doeu, foi ele ter dito: ‘Eu ainda vou fazer todo mundo que te conhece, te odiar pelo resto da vida.’ Até o fim daquele namoro, eu NUNCA tinha me queixado pra ninguém, nem mesmo pra minha mãe. Depois disso, a vida se seguiu e eu entrei em uma grande depressão. Cheguei a pensar em mudar de escola pra não topar com ele, mas desisti ao perceber que o ano letivo estava praticamente na metade, e outras escolas não teriam vagas àquela altura do campeonato. Houveram também outras coisas: o fato de uma prima desse meu ex ser minha colega de classe e viver me azucrinando, e às poucas aulas que tivemos naquele ano (acredito que 2007 foi o ano onde mais se teve feriados e emendas do tipo ‘feriado na quinta, sexta não tem aula’ e outras. Pra piorar, haviam frequentes faltas de professores: de 5 dias/aulas, 2 ou 3 dias na semana, saíamos mais cedo por falta de professor). Terminei aquele 3º ano praticamente me arrastando. Porém tive viagem e festa de formatura. Consegui me livrar dele fisicamente, mas até hoje tenho crises nervosas quando alguém fala em casamento, gravidez, filhos… Espero me recuperar logo. Bj

    • LILY RENATA
      GRAÇAS À TUA INTELIGÊNCIA E AO FATO DE TER SIDO CRIADA DENTRO DE UMA FAMILIA QUE TE CRIOU COM CARINHO VOCÊ CONSEGUIU ESCAPAR. O GRANDE PERIGO QUE VOCÊ CORREU FOI TER FICADO TÃO CALADA, NÃO TER COMENTADO COM PESSOAS DA TUA CONFIANÇA AS ATITUDES E FALAS DELE.
      O GRANDE DESAFIO DA VIDA É TER CLARA CONSCIÊNCIA DE TODOS OS PERIGOS QUE CORREMOS, SER CAUTELOSO EM FUNÇÃO DISTO, E AO MESMO TEMPO SERMOS CORAJOSOS, ATREVIDOS, SABER CORRER RISCOS, OUSAR. PRECISAMOS TER A CAPACIDADE DE ENTREGA A UM RELACIONAMENTEO QUE VALHA A PENA, POIS SEM ISTO A VIDA PASSA E PODEMOS PERDER ALEGRIAS E REALIZAÇÕES INSUBSTITUÍVEIS. ENTREGAR-SE DE CORPO E ALMA, MAS MANTER SEMPRE A INTELIGÊNCIA ALERTA, AFIADA, REAVALIANDO SEMPRE TUDO QUE ACONTECE, DIA A DIA, SABENDO LER PEQUENOS SINAIS NO COMPORTAMENTO DO OUTRO QUE PODEM SER EVIDÊNCIAS DE GRAVES DEFEITOS DE CARÁTER, EVITANDO ASSIM PENOSAS CONSEQUENCIAS PARA NÓS, A LONGO PRAZO. O AMOR HOMEM MULHER É A RELAÇÃO MAIS PERIGOSA QUE EXISTE, POR SER A MAIS ÍNTIMA E AQUELA DA QUAL ESPERAMOS MAIS.PORÉM NÃO FUJA DELA, PORQUE AQUI TAMBÉM ESTÃO ALGUMAS DAS MAIORES ALEGRIAS QUE PODEMOS ENCONTRAR NA VIDA.
      BOA SORTE.

  6. graciela

    Bom parece que eu estava vendo um filme da minha vida sendo contado agora.
    Eu passei por isto e a bem na verdade ainda passo, ele foi embora mas não me deixa seguir,
    se arrumo um emprego ele vai lá e faz eu o perder, td que for pra me tornar melhor ele não deixa.
    Nem namorado na vida real eu tenho, tive que encontrar um pouco de afeto no virtual.
    Tem dias que já pedi a Deus pra me levar, é como se eu não fosse minha dona, como uma criança
    já fui mil vezes procurar ajuda mas parece que só irão dar um jeito qd ele me matar.
    Mesmo vivendo com tanto medo eu vou seguindo e não perco a esperança de uma noite dormir
    em paz sem medo ou acordar mil vezes pra ver se as portas estão trancadas.

    • Graciela
      Eu nunca vivi nada tão difícil como o que você está vivendo. Do que eu pude observar até hoje, de mulheres que vivem ou viveram com este tipo de homem, eu observo que as mulheres mais corajosas tendem a inibir o comportamento deles.As mulheres que apanham sem reagir, com frequencia continuam apanhando. As mulheres que dão queixa na polícia contra seu marido, inibem alguns.As mulheres que quando são agredidas corporalmente reagem intensamente na medida de suas forças fazem com que alguns homens não mais as agridam. Conheço uma mulher que ameaçada com um revolver, olhou dentro dos olhos do agressor e disse : ‘Me mata, agora. Dá um tiro aqui no meu peito.’Não foi ferida.Conheço outra que agredida pelo marido, deu-lhe uma facada no braço. Ele nunca mais bateu nela.Uma outra após ter apanhado do marido pela primeira vez, disse-lhe com absoluta firmeza e convicção:’Se voce me bater de novo eu te mato’.Nunca mais apanhou, mas acabou separando dele.Não estou recomendando vingança nem justiça com as próprias mãos. Relato histórias que eu ouvi. Conseguir não ter medo de morrer, para preservar um modo de viver que seja digno, pode inibir alguns agressores. Perceber que a vítima tem muito medo deixa alguns agressores muito felizes, faz com que se sintam poderosos. Perceber a ausencia de medo, ou coragem apesar de algum medo pode desestimular alguns agressores. Não existe receita que vá produzir resultados garantidos.A maioria das ameaças, são apenas ameaças para gerar medo e deixar a pessoa paralizada, infeliz. Quem quer matar, mata, não fica avisando que vai matar. Quem quer suicidar, planeja e executa em silencio, não avisa ninguém. É claro que existem pessoas que ameaçam muitas vezes e acabam cumprindo a ameaça. Não se pode prever de modo absoluto o comportamento humano. Mas a coragem, o destemor, a disposição de enfrentar até a morte para preservar um modo de vida digno, pode inibir muitos agressores.

      • graciela

        Olá Carlos eu entendi o seu comentario, eu reagi muitas vezes foram 17 anos disto, se me perguntarem porque não separou antes tenho mil respostas mas de todas elas a mais forte foi meus filhos que ele era e é até hoje um ótimo pai tanto é que meus filhos vivem com ele hoje eu fiquei com uma bebê que tem menos de 2 anos agora e o outro motivo sempre foi meu pai, ele jamais me deixou falar em divórcio toda vez que eu ia tocar no assunto meu pai cortava na hora, até que ele veio a falecer e eu estou aqui contando que me divorciei. Às pessoas que por vezes não entendem as histórias ou julgam sem saber, meu pai meu ex marido e eu somos de uma religião muito rígida, as mulheres somos obrigadas a aceitar até 3 esposas se nosso marido assim quiser e ter condições de sustentar todas igualmente, eu casei aos 14 anos parei de estudar para me dedicar ao marido e ao lar e no ano passado enfim pude dizer chega, eu não quero mais eu sou gente. Hoje eu estou livre, eu vou ficar bem, as marcas estão sumindo, mas as do coração nunca irão sair.

    • Graciela
      O importante é que você conseguiu. ‘Antes tarde do que nunca’. O nosso passado felizmente deixa marcas em nós, graças a isto aprendemos. A memória e as marcas não precisam desaparecer. Com o tempo é importante retirarmos o veneno que certas memórias deixam em nós. Não ter medo de lembrar é um primeiro passo. A amnésia involuntária ou o não querer lembrar podem guardar o veneno dentro de nós. São as nossas alegrias que nos fortalecem para superar um passado penoso. Buscá-las sempre com esperança e tenacidade é a nossa melhor proteção.

      • Daniela

        Li esse artigo! E digo! é o relato da minha história…
        Estou casada há 16 anos e desde 7 anos de casada não consigo sair deste relacionamento.Eu e meu filho(que não é dele)sofremos muito.Estou em uma psicóloga que não me dar alta…quando não quero mais ir para terapia.Ele faz todo mundo acreditar que sou louca e com isso não tenho incentivo da minha família.Tive até surto pontual devido este relacionamento.Tenho altos e baixos mas,pelo menos o medo que tinha dele diminuiu consideravelmente.Esse artigo me deu uma direção e acredito que dará á muitas mulheres.Obrigada!

  7. Aline

    Acabei de ler a mais pura verdade! Sempre ouço alguém dizer…”você está escolhendo demais…” ou algo do tipo. Na verdade as escolhas que fazemos no presente são o passaporte que nos leva pra longe de homens deste tipo. Quem acredita que a felicidade está ligada ao encontro de um “grande amor”, deve rever seus conceitos, afinal quem não é feliz sozinho (a), jamais será feliz ao lado de outra pessoa…

    • Aline
      Tua frase ‘quem não é feliz sozinho (a), jamais será feliz ao lado de outra pessoa…’ é extremamente corajosa e extremamente impopular. Esta é uma verdade dura e preciosa da qual precisamos nos lembrar sempre ao longo da vida. Eu ainda não tenho mestrado nem doutorado neste assunto, mas o meu curso de graduação já vai bem adiantado… Não tenho sido um aprendiz rápido neste assunto, mas a vida desde muito tempo tem me dado muitas oportunidades de treinamento… Muitas pessoas, ao perderem um grande amor – ou mesmo um pequeno – perdem o sentido da vida ou a alegria de viver.

  8. danielle

    Bom gostaria de deixar um resumo da minha história tambem. Bom, tudo começou quando eu tinha 12 anos, um certo comerciante passou a fazer negocios com o meu pai, então passou a ir em nossa casa sempre, por 4 anos seguidos, em um certo dia pediu minha mão em casamento aos meus pais, que sem nem me consultarem aceitaram, ai o inferno começou, após o pedido em menos de 2 meses eu estava casada com um monstro, na noite de nupcias eu me recusava a ceder então apanhei até o dia clarear foram anos, assim então um dia eu coloquei na minha cabeça que juntaria muito dinheiro e fugiria, éramos do Mato Grosso hoje eu vivo na divisa aqui no outro lado, abandonei casa, nome, tudo, hoje eu vivo aqui sem familia, sem saber de ninguém, uso um nome falso, mas sinto muita saudade dos meus pais, por muitas vezes quis voltar, mas ele iria me matar e hoje eu vivo na solidão nunca mais tive ninguém, já se passaram 6 anos e ainda tenho pesadelos, nunca consegui deixar um homem chegar perto de mim e jamais vou deixar chegar aquele homem que me matou pra vida pro amor e pro sorriso.

    • Danielle
      Eu li teu comentário há vários dias. Fiquei pensando em que eu poderia te ajudar. Acho terrível o casamento que você teve.
      Ainda bem que você conseguiu escapar com vida. É natural que seja muito difícil confiar em um homem depois do que você viveu. Mas não basta escapar e sobreviver. É preciso buscar alegria, encantamento, felicidade, todos os dias de nossas vidas. Sem isto viver se torna um fardo, um peso cansativo. O que nos faz felizes é um certo modo de olhar para o que está ao nosso redor, mesmo para o nosso passado. Não desista de ser feliz. Respire fundo e avance com coragem, como você já fez para escapar do inferno. Agora avance com coragem na certeza de que a alegria está sempre ao nosso redor, temos que nos apropriar de modos de olhar para a vida que a tornem doce, suave e encantadora, apesar de toda a dureza, dificuldade e sofrimento. A arte e ciência de ser feliz é a mais difícil que existe e nela todos somos aprendizes permanentes. Eu tenho esperança que você consiga….

  9. Barbara

    Tenho 21 anos, estava em um relacionamento a 6 anos, o meu ex marido tem 23, ficamos juntos muito cedo namoramos por 2 anos e os outros 4 moramos juntos, nos dois primeiros anos de relacionamento era perfeito saiamos nos entendiamos, eramos amigos companheiros ele me entendia, apesar de ser um pouco ciumento, mas ao passar do tempo o ciume começou a piorar, começou a dar palpite nas minhas roupas a reclamar das maquiagens, dos amigos e nisso, mesmo eu ficando chateada com a situaçao achava que era amoooor, que era coisa boba, nesse tempo fui me afastando dos amigos sem perceber, até dos familiares, pois ele tinha ciumes até dos meus primoos e nesse tempo eu fui ficando triste não estava aceitando essa situaçao, acabei colocando um fim na relação pois nao aguentava mais tanto ciume e infantilidade da parte dele, ficamos separados por uma semana logo depois disso ele começou a vir atrás de mim, me ligava umas 10 vezes no dia me pedindo desculpa dizendo que estava arrependido, enfim, como eu gostava dele ainda resolvi dar mais uma chance pra nós, voltamos, nas primeiras semanas ele tinha mudado mesmo não tocava mais no assunto dos primos não palpitava sobre meus amigos nem roupas, ai senti realmente que ele havia mudado, nesse periodo ele me pediu em casamento apesar de ser muito nova aceitei, acabamos nos casando, fomos morar na casa dos meu pais, com 17 anos engravidei, acabei dando uma mancada e não me preveni nesse periodo de gravidez, os amigos dele começaram a aparecer a chamá-lo para sair, jogar bola, ele foi ficando frio comigo, começou a desfazer de mim começamos a brigar muito, pois ele mentia muitas vezes que estava em um lugar e estava em outro, chegava de madrugada, nisso acabamos largando pela segunda vez, eu estava quase para ganhar o bebê, nessa fase separados, ele nao ajudou a comprar nada para o enxoval do bebê tudo que meu filho teve foram meus pais que ajudaram, minha mãe pensava que isso iria mudar depois que o nenem nascesse que era medo de ser pai jovem, eu tambem acreditava nisso e mais uma vez depois que a criança nasceu ele se disse arrependido e voltamos depois que tive meu filho não tinha tempo p nada, para me arrumar, fazer unhas ou uma caminhada, ele sempre ficava livre e eu ali com as obrigações de mãe, todos os dias a mesma rotina, tudo começou a ficar dificil, ele queria ter os momentos a sós comigo, ai o bebe estava acordado nao tinha jeito, ele ficava bravo com a situação e sem compreender brigava comigo, ai começou a sair, chegar de madrugada direto, sempre arrumado e dizia que estava só conversando com os amigos, dai em diante sempre foi assim, ai com 5 anos juntos eu descobri que ele havia me traido, confirmei a traição que não foi só com uma pessoa, foi com várias outras e larguei novamente, nisso ficamos um mês largados, nesse um mes ele fez da minha vida um inferno apesar de me trair ele não aceitava a separação e dizia que era culpa minha pq eu n dava atençao a ele o suficiente e me infernizou, falava que iria se matar que n iria deixar eu viver em paz e mais uma vez voltamos e da última vez voltei e ele de novo melhorou e piorou de novo e larguei só que dessa vez ele me agrediu fisicamente e verbalmente, eu pedia p ele olhar o nosso filho para eu tomar um banho ou fazer almoço, ele dizia eu já pago as contas dele, se vira, a mae é voçê, sabe, ignorante, nesses 6 anos, eu nã aguento mais e agora largamos de novo, mas já faz 1 semana, mas deixei bem claro que dei todas as chances que pude e ele não melhorou, além da traição que n é facil de aceitar, fora a agressão eu já estou de saco cheio, ele vem na minha casa de madrugada, fica batendo no portao, ja sentei, conversei, disse p ele q n damos certo, mas ele quer ficar na marra, eu não quero mais, vou começar a fazer faculdade, ele não quer, disse que se eu ficar com alguem ou fazer amigos homem ele vai matar um por um e vai infernizar minha vida, diz q se eu não for dele não vou ser de mais ninguem. O QUE EU FAÇÇÇOOOOO??? POR FAVOR ME AJUDEM!!!!

    • Barbara
      Com frequencia é util dar queixa na delegacia de mulheres contra seu ex marido. A maioria dos homens ameaça e não cumpre. Ir para a cadeia por um assassinato não é um futuro agradável. De qualquer modo viver é sempre perigoso, de um modo ou de outro. É necessário relaxar e desfrutar, apesar de todos os perigos; sem isto a vida fica chata, vazia e cansativa.De qualquer modo todos morreremos um dia. É desagradável lembrar disto para a maioria das pessoas, mas é inevitável. Ou você vive com coragem e alegria, e paga para ver; ou se torna escrava de um canalha e o obedece o resto da vida, ficando viva aparentemente, mas morta por dentro.

  10. Joelma

    Parece a história da minha vida. Eu namorei com o meu atual marido sete anos e não percebi que ele era assim. Depois que eu tive a minha filha, eu parei de trabalhar e a minha vida virou um inferno. Ele me isola das pessoas, não posso ter amigas, muito menos amigos(ele é superciumento).Ligava-me até quando estava fazendo tratamento dentário. Vivo com ele à base de antidepressivos. Tentei me separar diversas vezes, mas como sou dependente financeiramente dele e não conto com o apoio da minha família, fico com ele, mas só Deus sabe o que eu passo. Preciso de ajuda. Tenho medo de ele me matar e matar a minha filha. Ele é muito machista, possessivo e preconceituoso, não reconhece os direitos da mulheres e odeia homossexuais. Por pensar diferente, nós discutimos, brigamos até, mas nunca chegamos às vias de fato. Até quando? Estou desesperada. Não consigo sair desta situação e nem disponho de forças para tal. Ele parece um vampiro, suga todas as minhas energias. POr favor, alguém me ajude.

    • danielle

      Olá joelma,eu lamento por tudo,que vc esta passando se pudesse traria vc pra viver aqui cmg,eu passei o que vc esta passando agora só que com muitas dores acredite muitas.
      Tente procurar ajuda da delegacia de mulheres dai,se não se sentir segura,fuja largue tudo não tenha medo vai pra bem longe,quando eu fugi vim para este lado do Brasil não tinha ninguém, nada, nada, passei dias de horror mas encontrei pessoas boas que me ajudaram quando eu estava na pior, dai pra minha supresa estava grávida, trabalhei dia e noite até minha bebê nascer, aluguei uma peça, nem banheiro tinha, mas estas coisas me fizeram ser alguém melhor. Hoje novamente me encontraram na cidade onde eu vivo e tive de fugir de novo, agora estou me organizando nesta outra cidade muito distante ainda de onde eu vivia, mas eu sou melhor, estou viva, tenho força pra seguir.
      Além do meu ex marido, meu pai é tão ou pior que ele, então eu preferi esquecer e apagar eles, é o que vc deve fazer, não tenha medo, sua filha precisa de mãe viva lute por vc mas mais por ela ok!

    • Joelma
      Vou responder o teu apelo, reproduzindo um trecho de uma palestra do conferencista e escritor Jiddu Krishnamurti: “No momento em que sabeis com toda clareza o que desejais fazer, ‘acontecem coisas’: ‘a Vida vem em vosso auxílio’ – um amigo, um parente, alguém vos dará a mão. Mas se tiverdes mêdo de tentá-lo, neste caso estais perdida. A vida não acode nunca aos que, por simples mêdo, se sujeitam a uma dada exigência. Mas se disserdes: ‘É isto que eu quero e que tratarei de conseguir’ – vereis que então algo miraculoso sucederá. Tereis talvez de passar fome, de lutar, para irdes até o fim, mas então sereis um ente humano valioso, e não uma mera cópia.”

  11. clara

    Esse texto e todas as historias são tristes, passo por isso, na adolescencia eu tinha medo de ninguem gostar de mim e me entreguei, e por ser coagida, ele falando que ia me largar me entreguei e acabei ficando gravida, ai casei e tive dois filhos e qdo os meninos eram pequenos esta tudo bem, mas agora com eles grandes, penso em estudar, ter amigos, mas me sinto presa pois meu marido nao libera e me diz muitas palavras dificeis, e nao tenho coragem de contar pra ninguem, me sinto presa num mundo triste.

  12. clemilda

    Oi, tenho 26 anos e sou casada há 8 anos meu marido é extremamente ciumento a ponto de não me deixar ir na casa de meus pais, eu só vou lá de 6 em 6 meses e olhe lá, eu tambem ja sofri agressões fisicas no começo era tantas brigas ele dizia que eu traía ele e isso nao passava nem por minha cabeça, então eu morava com minha sogra, aí ele me levava pro nosso quarto me batia que eu faltava era perder a voz, amanheçia com as costas toda roxa, ele me dizia que enquanto eu não confessase para ele eu iria viver apanhando, sendo que eu nao tinha nada para confessar, entao tomei 20 comprimido carptopril remedio para controlar pressao passei muito mal fui parar no hospital, então falei para a mae dele que eu iria me separar, ela falou que eu estava louca porque um homem que só sai comigo e põe tudo dentro de casa, quero sair dessa vida mas tenho medo da solidão, quero um conselho, me ajude obrigado

  13. Fabiana

    Esse texto é de utilidade pública, que deveria ser mais divulgado. Acho que as mulheres caem nessa “armadilha de amor” por acreditar em histórias de amor, não digo que não possamos ter um relacionamento saudável, mas o desejo imenso de viver um romance nos faz criá-lo onde não há espaço para isso, ou seja, com pessoas erradas. Infelizmente, em nossa sociedade machista, os homens estão muito mal acostumados e tratam as mulheres como objetos, propriedades que estão ali para servi-los quando e como quiserem. Já as mulheres, com a visão latino romântica acreditam que é sua função fazer o homem mimado feliz e quanto mais ela faz para agradá-lo, mais ele se sente no poder de reclamar e exigir. É uma bola de neve e acredito que essa cultura é ruim para ambos os lados, tanto para o agressor como para o agredido (no caso, a mulher).
    Penso que deveria haver uma conscientização desde a escola, para que as crianças aprendem uma nova visão de relacionamento, já que nas casas as histórias se repetem e pior que a maioria nem percebe que é vítima de abuso ou é o abusador. Infelizmente, o índice de criminalidade de violência contra a mulher é altíssimo e não vejo outra saída que não seja a educação. Parabéns pelo texto, muito útil a sua contribuição.

    • Fabiana
      Obrigado pelo teu comentário. A grande dificuldade neste tema é que há excesso de maus exemplos, tanto entre os homens ditatoriais e violentos, quanto entre as mulheres frequentemente submissas e medrosas. O mêdo da solidão é aquilo que move as más escolhas. Quem não consegue se privar de um relacionamento pouco saudável, vai afundando cada vez mais. No desenvolvimento da capacidade de extrair alegria da vida, fora da relação amorosa, é que está a esperança. Para escolher corretamente é preciso saber esperar, ter paciência, guardar a carência sem desesperar.

      Só podemos dar aquilo que vivemos, aquilo que somos. Seja na escola, seja no lar, as crianças e os jovens aprendem o que veêm e percebem acontecendo. Não é o que dizemos que tem força para inspirar um caminho, mas aquilo que somos capazes de irradiar pelo exemplo. Aquele homem que sabe valorizar e respeitar uma mulher é que poderá estimular meninos e homens jovens para o verdadeiro amor. Aquela mulher corajosa, que sabe escolher, que sabe esperar, que é firme para exigir respeito e amor verdadeiros, é que poderá inspirar meninas e mulheres jovens. Não adianta ensinar teorias sobre este assunto, dentro do currículo escolar. O tema será torcido até chegar àquilo que aquele que ensina é, no seu cotidiano.

      Eu sou daqueles que acredita que um grande amor pode existir entre um homem e uma mulher, um amor verdadeiro que dura anos e sobrevive às dificuldades do cotidiano. Sonhar e desejar um grande amor não é o problema. O problema é ser cego, não querer ver a realidade, mentir para si mesmo colocando a esperança numa relação impossível, que dá evidências frequentes no sentido destrutivo. Se tivermos paciência, persistência, inteligência e coragem o grande amor pode ser vivido, não na sua perfeição impossível, mas como fonte de grandes alegrias reais , que sobrevivem à passagem do tempo.

  14. Mithel

    Eu tambem estou no mesmo dilema conheci um rapaz tinha 20anos ficamos, namoramos, ele era muito ciumento e possessivo, me afastei de meus amigos por conta dele ai começaram as agressões de um simples tapa foi pra murros e acabei ficando com o olho roxo, dei queixa com pena, voltei pra ele, disse que ia mudar, comecou a trabalhar, ficou por 2 anos, por ficar faltando foi demitido, depois nao trabalhou mais, comecou a beber, me agredia, olhava meu celular, meu face, tinha ciumes de tudo e de todos, ficamos juntos por 14 anos sem morar juntos, ele só me enrolando, dizendo que ia casar terminei em 2013, estamos separados ja faz 5 meses, mas ate hoje ele me ameaca de morte por que me separei dele, ja dei queixa na delegacia da mulher a audiencia e agora em agosto e que deus me proteja dele

  15. Mithel

    Estou com depressão as vezes nem tenho vontade de viver mas ele nao quer ter responsabilidade alem de ser ciumento nao quer trabalhar, quer me manipular como se fosse meu dono, o pior é que ainda gosto muito dele, estou sofrendo, sei que ele tambem.

    • Gleice

      Mithel, vc não gosta mais dele, acredite, algumas pessoas fantasiam esse sentimento quando na verdade apenas estão acostumadas com ele e isso não é amor, mas passa, vai ser feliz, quando menos se espera aparecerá um homem que a fará feliz.

  16. carla

    Vivo com um louco desses há 13 anos e já fiz de tudo para separar, mas ele sempre me acusa de traição e me ameaca de morte, nunca me bateu, mas me acusa de coisas absurdas o tempo todo, o pior é q ele não trabalha e eu ainda tenho q sustentar a casa. Temos um filho de 8 anos que sempre presenciou essas crises, estou no meu limite.

  17. carla

    Não sei mais o q fazer, porquê ele é muito violento e vive dizendo q vai me matar, sei q a policia so toma providencias depois da ocorrência… Nao suporto mais ser acusada, eu mal saio de casa a não ser para trabalhar e ainda passamos certas privações financeiras. Ele é um canalha

  18. clemilda

    oi meu nome e clemilda e eu convivo com um homem ciumento ao extremo ha 9 anos eu ja sofrir muitas agressoes ele mim acusa de traicoes eu penso muito em mim separa mais minha familia nao quer aceita diz que ele sustenta a casa mais faz tempo que eu estou sufocada ele nao aceita eu ir no comercio sozinha porque quando eu chego ele diz que eu nao estava sozinha e fica em casa contandos os minutos nem na casa da minha mae eu posso ir eu tenho vontade de sair correndo e mim esconder de tudo ha eu tenho 27 anos obrigado

  19. Carinhosa

    Me espelho em tudo que li, namorei pouco, mas já percebia que ele era machista e falava que a única mulher séria era a mãe dele e que toda mulher era errada e até cheguei a terminar o namoro e ele veio atrás insistindo e eu cai de bobeira, fiquei grávida e casei. No primeiro dia de casamento, eu trabalhava pela manhã e o deixei dormindo, quando ele chegou para almoçar, nem me cumprimentou com um bom dia!!
    Eu fiquei com enjôo dele, ele era ciumento e me dava ordens e não queria que eu vestisse certas roupas, eu pensei em deixá-lo antes de ter o filho, mas eu não tinha para onde ir e tinha meu emprego.
    A família dele quando me viu não gostou porque não sou de cor branca nem de olhos azuis, eles odeiam negros…

    E por odiarem, só entra gente morena igual a mim…rs acho que é castigo…

    Minha primeira filha teve muitos problemas de saúde, eu fiquei acabada de tanto cuidar de casa, filho e trabalho e ele não me ajudava, todo fim de semana dizia que ia visitar a mãe e eu ficava sozinha em casa. Certo dia cansada, disse para ele que ia me separar e fui para a casa de minha mãe onde meu irmão estava morando com a esposa e esta simplesmente falou, se sua irmã separar e vier morar conosco eu saio porque quero privacidade, então fiquei em um porão da casa, mas como minha filha era alérgica eu não poderia ficar ali. Então ele veio pedir para voltar e eu não tive opção, antes de ir dei um show e falei tudo o que estava sentindo. Como eu seguia tabela, ele me engravidou de propósito e sem eu estar preparada, eu já sabia que ia ficar grávida e tive muitos problemas, meu filho já nasceu asmático, quase morreu e fui muito maltratada no hospital, pois eu não tinha forças para ter ele e tive que tomar uma injeção e quando ele estava com 1 ano e poucos meses veio a menina. Tenho 3 filhos com problemas também, ela tinha refluxo, chiado, nossa!! Era eu grávida dela e no hospital com o menino internado… passei muita fome pois eu não tinha condições de preparar nada pois tive um problema na placenta, quando fui levantar a cama para mudar de lugar senti uma dor enorme e não podia fazer nada e nem ele fazia nada por mim… hoje depois da internet e celular, ele fica bisbilhotando meu face, orkut, email, ele já se fez passar por mim, ele faz tanta coisa que se outra pessoa entrar nas minhas coisas eu já nem sei quem é, ligação desconhecida ele retorna, tirou os cartões de memória dos celulares que usei e imprime e guarda muita coisa minha e ameaça colocar na justiça… eu queria tanto que ele saisse da minha vida, pois eu não queria me vingar, já que tudo para mim está destruído eu não ligo mais para nada, ele diz que vai me processar por danos morais, eu só vivo em casa, e quando saio ele sai de moto para me vigiar, na verdade ele quer que o pensamento dele seja confirmando, que eu traia ele. E hoje eu só durmo se tomar medicamentos para depressão… pois são 20 anos de casamento e minha filha mais velha faz universidade e entende tudo, não quer nem pisar em casa porque não suporta o jeito rude, agressivo e ciumento do pai, ela disse que ele repassa uma energia muito ruim. Penso em fugir um dia para bem longe e não dizer a ninguém…

  20. claudia

    hola tudo que esta escrito nesse texto e exatamente o que já passei e o que estou passando;tenho 31 anos moro com o meu pior enemígo que e pai da minha filha a dez anos. eu sou extrangeira e tenho uma filha brasileira, é tudo que ele quiz que eu engravidasse dele, era a unica forma que ele podia me prender dentro de casa e no brasil infelismente eu não posso voltar no meu pais,por eu ter uma filha brasileira e ele não deixa eu voltar pra la com ela;teria que ter autorização dele, ou deixar a minha filha com ele, o que eu nunca faria; eu estou aqui en são paulo sosinha sem familia, estou triste ,acabada sem chão, separamos por varias veces inclusive eu cheguei a ir embora no meu pais eu fuji peguei meus filhos e fui embora fiquei um mes na casa dos meus pais ele me infernizou durante esse un mes me ameaçou dizendo que eu tinha 24 hs para voltar com a minha filha ao contrario iria pagar caro por isso, tambem me disse que iria me denunciar por secuestro e que eu iria perder a guarda da minha filha eu desesperada com isso resolvi voltar pro brasil quando eu cheguei aqui fico pior ainda, ele começou a ficar mas agresivo ainda me chamava de vagabunda ,lixo, tranqueira, ordinaria de frente aos meus filhos.
    eles choram muito porque toda vez que discutimos ele e muito agresivo com as palabras dele,por tudo isso eu resolvi me separar de vez agora so que infelismente não parece separação estou vivendo no mesmo ap com ele so que en quarto separado, pra ele esta ótimo asim porque dai ele consegue me controlar e me humilhar quando ele sente vontade de fazer isso, porq eu ja percebi nele que ele sente falta de humilhar ele sente prazer em fazer isso e goza quando me ve sofrendo chorando
    ele e exatamente como esta escrito no texto ele un cara extremamente agresivo ,posesivo, egoista, preconceituoso;por eu ser estrangeira ele me humilha e disse que eu cai de para quedas na vida dele que eu devo agradecer muito por ter conhecido ele porque eu sou um pasa fome, vim do lixo e que ele me fez gente.
    ja fui agredida fisicamente por ele varias veces, e depois ele sempre acaba pedindo desculpas e disse que se arrepende eu analizando ele, ele e uma pessoa doente e sente prazer em fazer mal a pessoa que vive do lado dele
    e isso ai a minha historia estou aqui no brasil sen ninguem sofro muito, tenho muita dificuldade en comfiar em alguem, choro todos os dias, tenho insonia, estou achando que estou com depresão, muitas veces não tenho mais vontade de viver fico muita irritada e me issolo muitas veces não quero comversar com ninguen.
    eu consegui fazer un curso e agora estou trabalhando mas o meu salario nao chega a 800 reais e com esse dinheiro não da pra sobreviver , agora com essa separação ele não me da dinheiro eu tenho que me virar para comer dentro de casa
    tenho esperança que algun dia eu consiga me livrar de tudo isso, não sei mais o que fazer….

    • SIMONE

      Claudia, procure um advogado, se separa legalmente e exija a pensão, estamos juntas nesta luta, seja otimista, no final vai dar tudo certo.

  21. oi, tenho um namorado há 6 meses. Ele é um amor de pessoa, mas fica ajustando minhas roupas.. minhas amigas… não posso conversar com nenhum homem que ele ja fica insinuando coisas.. nao aguento mais isso. o pior é que eu gosto dele.. pelos momentos bons entende? o q eu faço ??

  22. Eu tenho 17 anos e ele tem 24

    • Gleice

      corre enquanto dá tempo, leia os relatos de tantas mulheres aqui e decida, é isso que quer da sua vida???? os primeiros sinais de vc vai ser infeliz com ele já tão aí vai querer pagar pra ver??????????????????

  23. Alice
    Quando convivemos com uma pessoa, é tudo ou nada. Não há como convivermos apenas com as partes que gostamos. Quando nasce uma árvore, ela se parece com capim, um mato qualquer. É fácil de arrancar. Depois que ela cresce, pode se tornar imensa, até um trator terá dificuldade para arrancá-la. As relações humanas são parecidas. Enquanto somos solteiros e sem filhos, podemos terminar um relacionamento e recomeçarmos com outra pessoa. Depois que temos filhos, ou que estabelecemos laços de dependência econômica, a separação fica bem mais difícil e complexa.Envolve não apenas dois adultos mas crianças frágeis e dependentes, que quase sempre preferem que seus pais permaneçam juntos.
    Aquilo que é difícil no namoro é dez vezes mais difícil depois de casados. O casamento torna as relações a dois mais frustrantes e penosas. Quanto mais frequentemente convivemos com alguém, mais os defeitos aparecem, daí a dificuldade. O namoro é, em geral, o período mais fácil e mais feliz, porque as pessoas tem tempo de descansar uma da outra, depois do encontro cada um vai para sua casa e tem muito mais liberdade de agir e conviver longe do outro. Com o casamento a vigilância recíproca é naturalmente muitíssimo maior, ou seja, menor liberdade.
    Releia com calma todo este artigo, os depoimentos de outras mulheres e os comentários. Por mais dolorosa que seja, a solidão permite recomeçar com outro alguém. Não pense que teu namorado vai melhorar com o tempo. É mais provável que piore. Muito raramente temos o poder de mudar as pessoas. O poder que temos de desenvolver não é o de mudar os outros, ajustando-os às nossas necessidades, mas mudarmos a nós mesmos, de forma a sermos menos dependentes dos outros. Quanto maior a autonomia, maior a liberdade de ir e vir, de sair de uma relação doentia e saber esperar até que surja uma pessoa saudável, com quem possamos viver com maior harmonia.
    Boa sorte ….

  24. SIMONE

    Nossa … parece que estava relatando a historia da minha vida, nossa nunca vi algo igual, tenho 3 filhos meu marido tem exatamente essa mente doentia, ele é a vergonha da minha vida, tenho vergonha dele, não convido ninguem para ir em casa porque não sei se ele estará de bom humor, me dediquei aos meus filhos então é claro não realizei o meu sonho de cursar faculdade, eu era uma moça muito cobiçada, ainda continuo sendo porém tenho esse empecilho na minha vida.
    Atualmente estou tentando me libertar dele, minha familia nada pode fazer, alguns da minha familia seguem uma religião na qual não pode se separar, tem que ficar pela vida até a morte, independente de tudo, mas eu consegui um emprego e estou prestes a sair de casa, casa na qual está no nome do pai dele já no propósito de que eu saia sem nada, estou com a cara e a coragem para recomeçar, minha filha maior que está com 12 anos, está me apoiando psicologicamente, ela é uma menina muito amadurecida pela idade que tem, já passou por maus bocados na mão dele também, em questão de viver nos chantageando e nos hostilizando.
    Em breve vou embora, não vejo a hora de ficar liberta desse manipulador, não desejo o que passei pra ninguém, só consigo sentir nojo dele, e vou enfrentar todos e tudo, pq sei que todos ficarão contra mim devido à religião, mas eu quero viver a minha vida, sou jovem ainda, Deus não deixou que eu me acabasse fisicamente e psicologicamente. Tenho fé que vou vencer.

    • Gleice

      nao tenha duvida, mesmo que a vida continue a te judiar siga em frente, lute… lute pela sua felicidade… pela felicidade dos filhos, e lembre-se, Deus sempre estará contigo, e no final tudo dará certo, acredite. tô na torcida, força, menina!

  25. Vanessa

    Terminei um relacionamento pra ficar com uma pessoa ciumenta e possessiva. Lindo, educado, normal… no começo ele era perfeito. Me apaixonei perdidamente por ele. Com um tempo ele começou a mostrar os sinais de uma pessoa doente. Não podia conversar com homens,estudar, trabalhar, ter amigos, falar com ninguem, o que fosse pra resolver tinha q ser com ele, e muitasss outras coisas. Minha família nunca aceitou o namoro então namorei escondido pois sabia desse comportamento dele. Terminamos e Voltamos inúmeras vezes. Quando eu n ia atrás, ele vinha. Bom… depois de 8 anos continuo assim. Amo muito, mas eu n quero ele de volta pra mim. Ele me agredia verbalmente quando eu n fazia algo q ele queria. E aquilo me machucava muito. Sei que pode chegar a ser ridículo, e tb sei q ele nunca vai mudar. Mas pedia a Deus q fosse diferente, só pq eu o amo. Os poucos momentos felizes com ele parece q prevalece mais em minha vida. Hoje n tou com ele…acabou mais uma vez faz pouco tempo. Aparece outras pessoas em minha vida, mas eu travo completamente. Qualquer defeito eu comparo com ele. Isso é ridículo e acho q eu preciso de ajuda. Esse relacionamento me fez perder a vontade de viver.

    • alessandra

      Parece muito com o que vivi faz pouco tempo, pedi tanto para q Deus o mudasse, mas a verdade é q qdo pedimos temos q deixar Deus agir, pq Deus dá mas tbm ele tira. Meu Deus pode fazer infinitamente mais! A felicidade ainda está por vir!

  26. alessandra

    Tenho 28 anos e namorei com um rapaz durante uns 6 meses. No começo era tudo muito lindo, parecia que havia encontrado o amor da minha vida e assim pensei durante muito tempo. Ele sempre dizia saber querer a verdade, sempre quis saber das coisas q fiz no meu passado, com quem andei, o que fiz e chegou a me acusar de ter me prostituído, sempre me acusava de coisas horríveis. No início do namoro ele já me ofendia, depois as ofensas ficaram mais pesadas, passou a controlar minhas roupas, dizia q eu nunca havia prestado na vida, sempre dizia q eu não valia nada! Controlava tudo o q eu fazia, mas ainda sim ele dizia q eu mentia pra ele… Uma mente q sempre inventava algo a meu respeito, chegou a dizer q de mim nunca esperava nada de bom. Chegou a me agredir fisicamente e mesmo eu passando por tudo isso insistia em ficar com ele. Termninamos e voltamos várias vezes… O pior de tudo é q ainda gosto dele. Na verdade numa relação assim nós mulheres amamos sozinhas, mas esquecemos de nos amarmos e mesmo ainda eu gostando dele sei q devo me amar mais do q a ele

  27. Sonia Maria

    Tenho 26 anos e namoro um homem,32anos, há seis anos. Vendo o artigo e os depoimentos de outras mulheres percebo que vivo uma situação semelhante, ele tem características de um homem super ciumento, possessivo, agressivo – é um psicopata. Já ouvi historias de que ele agrediu fisicamente suas ex, a mim ele nunca agrediu fisicamente, mas já me traiu varias vezes e já me ameaçou diversas vezes de morte. Já terminei o relacionamento inúmeras vezes, já perdi até a conta, mas ele insistentemente me procura e diz “que vai mudar”, “que não voltará a fazer mais o que me fez”, e eu acabo voltando. Estou disposta a mudar de vida, quero aproveitar a oportunidade de não estar casada e de não ter filhos com ele, por isso estou aqui pedindo ajuda para sair ilesa desta relação , pois na verdade tenho medo que ele me faça alguma coisa por já ter me ameaçado de morte caso me veja com outro. Por favor me ajudem, como faço para tirar ele da minha vida?

    • Gleice

      Sonia, se te ameaça já é motivo para ir à delegacia, faça quantos boletins for necessario, se vá embora, saia dessa situação, nao aceite mais ser tratada como cão, coragem, aproveite que não tem filhos, é mais facil e lembre-se, não amor que o tempo não cure.

  28. Raquel

    Meu deus, estou vendo minha vida, tem cinco meses que estou namorando e meu namorado é muito ciumento, ele quer controlar tudo, saber de tudo, hora que saio, hora que chego, marca minuto pra chegar em casa. E ele é cheio de fazer ameaça do tipo, não está gostando fica solteira. Não seu mais o que fazer, estou sufocada, me sinto angustiada, nervosa, como fazer com essa situação?

    • Gleice

      corre Raquel, sai dessa enquanto pode, não vale a pena ficar com quem não te valoriza, depois a vida vai passar (e rápido) ai vc vai olhar pra trás e ver que nada fez de bom, que sua vida foi uma poço de lamentações, aí minha amiga verá que é tarde demais pra recomçar.

  29. Gleice

    Eh eu dei alguns conselhos, até parece que é facil, mas minha vida está mais ou menos assim, ou está assim e eu que não consigo enxergar, às vezes o homem perigoso é silencioso, eu moro junto há quase 4 anos e de namoro mais 4 anos, na boa, nunca foi uma maravilha, ele tb queria saber tudo sobre meu passado e já chegou a insinuar que eu me prostituia, logo eu que nem saio de casa, mas vira e mexe ele sempre acha uma maneira de me ofender de me colocar pra baixo, mas uma maneira sutil, assim meio que como indireta, sabe?, ja me traiu algumas vezes mas nega tudo, claro, quando eu disse que iria fazer faculdade colocou varios empecilhos, eu trabalho, sempre trabalhei, mas trabaho como recepcionista (não desmerecendo a profissão eu ate gosto do faço) mas o salario é baixo e nao dá pra me sustentar sozinha por enquanto… e toda vez que falo em mudar emprego ele diz que não vai dar certo, que eu posso trocar o certo pelo duvidoso e coisa e tal, mas tudo de uma sutil como já disse, mas não deixa de ser perigoso.
    um dia desses estamos indo pra casa e eu encontrei um amigo de infancia, praticamente crescemos juntos, e ele me mandou um beijo, em casa meu marido gritou, fez um show por causa do ocorrido e depois ele encontrou esse meu amigo e parou para tirar satisfação, eu fiquei sabendo pois meu amigo me contou, estou muito mas muito preocupada com essa situação pois meu marido ja tem 40 anos e isso é uma atitude muito infantil, será que estou fantasiando demais ou devo me preocupar???? meu marido é um cara muito responsavel, trabalha nao deixa faltar em casa, tenho tudo do bom e do melhor, ele lava, arruma a casa todos os dias faz almoço levanta antes de mim para preparar o cafe da manhã, as vezes me trata mal as vezes me trata bem… isso tudo me confude demais, talvez se ele fosse ignorantão eu sabia o que fazer, mas ele nao é, quer dizer, só as vezes, eu me sinto infeliz e feliz tudo ao mesmo tempo, a gente pedala e viaja bastante, mas por qualquer moitivo ele ja fica irritado ta passeando e consegue ficar bravo. Eh to meio perdida, talves ele não seja tao agressivo pois eu nunca deixei de trabalhar entrei na faculdade e vejo minha sempre que eu bato de frente com ele e so faço aquilo que eu tiver vontade, sera que estou exagerando e ele é bom homem e estou chorando de barriga cheia, as vezes fico pensando nisso, mas é ciumento demais o que acha????? ja nos separamos uma vez depois que descobrir a segunda traição mas não durou um essa separação, resolvi dar uma chance e ele dorme no sofa é normal isso? ai, to tão confusa.

  30. Claúdia

    Pois é, eu vivo a base de remédios, frequento psicólogos, psiquiatras e frequentemente penso em me matar.Vivo sozinha em casa , cuidando de 3 filhos e não tenho vontade nenhuma de sair de casa.Não confio mais nele, já ouvi ele contando a respeito de traições , tentei me separar, ele fez da minha vida um inferno.Não posso trabalhar pois não tenho com quem deixar meus filhos , já que dois não tem mais idade pra frequentar a creche, porém são pequenos pra serem deixados sozinhos….não sei o que fazer, não posso estudar, trabalhar…vivo sozinha e deprimida…como eu queria morrer….não tenho mais forças…

    • Patricia

      Cláudia, procura Deus. Acho que ele não iria se opôr de vc ir na igreja, fé é tudo que temos quando não temos mais forças, pois essa força vem de Deus.

  31. Patricia

    Passei exatamente por isso agora pouco. Encontrei um príncipe, doce, mimoso. Fui morar com ele logo na primeira semana. Depois que levei todas as minhas coisas pra casa dele ele começou a ser estúpido, violento. Eu não podia olhar pra qualquer lado que ele logo que acusava de estar olhando pra algum homem. Vigiava meu celular. Não queria que eu tivesse o contato de ninguém, nem de amigas na memória do celular, pois dizia que era outra pessoa que eu colocava nome de mulher. Passei uma noite de terror com ele dentro do quarto, me acusando de infidelidade, pois eu havia ficado duas horas na casa da minha mãe e de noite na hora de fazer havia uma secreção na calcinha, que é normal, acontece com toda mulher, e ele me estrangulou a noite toda gritando comigo, torcendo meus braços, meus dedos, dizendo que eu havia traído ele com alguém na casa da minha mãe. Depois se arrependia e chorava e me estrangulava de novo e gritava pra eu dizer que o amava enquanto ele me estrangulava. Passei esse inferno algumas noites, até que em uma oportunidade em que ele teve que sair eu peguei minhas coisas e levei tudo pra casa da minha mãe, fui embora. Ele me procurou, voltei pra casa dele, mas não levei nada das minhas coisas, pra ele não se prevalecer. Ontem, tivemos uma briga por que eu não quis transar, e vim pra casa e terminamos. Fiquei com pena dele, pois a vida dele nunca foi fácil, ele sofreu muito, a mãe dele hoje em dia é uma boa mãe, pois se converteu, mas não era no passado. Enfim, eu tenho pena dele. Porém lendo essa matéria me deu mais força pra não voltar pra ele. Quando fui morar com ele, ele quebrou o braço de propósito só pra ficar de licença da empresa e ficar o tempo todo comigo. Cuidei dele como se fosse um bebê mesmo estando exausta, por pena. Quero o bem dele, acredito que todas as pessoas mudam, mas não quero perecer esperando pela mudança dele.

  32. Patricia

    Coloquei esse site nos meus favoritos, pra ler toda vez que eu fraquejar, pra me dar força e não me iludir mais. Achei este artigo de uma enorme importância e apoio á todas as mulheres que passam pelo mesmo problema. Temos medo de contar, vergonha de amar um homem que nos maltrata e por isso não contamos o que acontece conosco para nossas famílias. E aí é que está o erro. Estamos ajudando nosso opressor quando escondemos tudo. E nos ajuda muito saber que existe um perfil de homem repressor, ciumento, agressivo, manipulador, enfim, espelho dessa situação colocada no artigo. Então não estamos sozinhas. Eu queria saber se algum homem deste perfil se arrepende e muda para sempre, pois como os amamos é difícil abandonar, sempre queremos curá-los desse ciúme doentio. Mas pesquiso e pesquiso e não sei de um caso de cura, como se o destino desses homens seja sempre esse, fazer uma mulher infeliz. Como se fosse um distúrbio tipo um psicopata! Eu queria saber o que acontece com esses homens que tem essa necessidade de realmente possuir, dominar.

    • Patricia
      Enquanto houverem mulheres que se submetem a este tipo de homens, que incentivo eles terão para mudar? Perdem uma, arranjam outra. Não faltam mulheres que se submetem a este tipo de escravidão camuflada. Sentem-se vítimas inocentes e amorosas, mas o tempo todo foram cúmplices.Tem situações que são mais ou menos simples de serem desfeitas no início, mas mais tarde a dificuldade pode ser enorme. Quanto mais tempo passa, mais emaranhado fica.
      O que eu observo no meu trabalho é que as mudanças profundas são pouco comuns nos seres humanos com mais de 30 ou 40 anos. A mudança é sempre possível, mas ela é muito mais frequente em pessoas com fortes sentimentos éticos, que possuem grande empatia para com outros seres humanos. Os grandes egoístas só enxergam os outros seres humanos como objetos para o próprio prazer ou lucro pessoal. Estão sempre certos. Quem deve mudar são os outros. Existe uma tendência no mundo moderno a ver este tipo de pessoa como doentes. Como se maldade não existisse. Fuja de cobra venenosa. Este tipo de ser humano pode ser imobilizado pelo medo ou pela força, mas raramente mudará. Mudar para que ? Para ele está ótimo deste jeito.

      • Patricia

        Obrigada Carlos! Estou tentando sair dessa loucura toda, mas tenho medo. Estou verificando a possibilidade de mudar de cidade, pois agora que não estou com ele, ele está muito pior. Até comprar alianças ele “viaja” em comprar, não entende de maneira de nenhuma, está muito transtornado.

  33. valeria

    Nossa me vi nesse texto, tenho 5 meses de casada e to numa humilhaçao, numa proibiçao de ir na casa dos meus pais. Engravidei mas foi uma gravidez na trompa com 1 mes depois casei parece que to vivendo um pesadelo. Ele me chinga quando olha os contatos no meu face. Tenho que tomar uma atitude a ultima agora que ele fez foi me intimidar na moto corria passava nos quebra mola com toda velocidade. Eu comecei a gritar ae ele parou com medo de ser preso, isso porque era pra ele me buscar e perguntei onde ele tava. Fui de onibus pra casa resolvi ficar mas isso ta me doendo tanto e ainda tenho pena.

  34. Alana

    Boa tarde. Também quero deixar aqui o meu relato, pois vi muitas semelhanças entre meu ex namorado e os homens citados nestes depoimentos.
    Namorei seis meses e foram horríveis. Ele me fisgou também falando de casamento com menos de 1 mês, que estava em um namoro para longo prazo, depois começou a pedir para eu fazer exames de fertilidade para saber se eu não teria problemas em ter filho, pois ele queria mto filhos. Porém antes mesmo disso, na 1ª semana de namoro ele já se mostrou completamente desequilibrado, eu tive que trabalhar de madrugada e ele insinuou para as pessoas que eu estava com outro “macho”,e virou a cara pra mim, ai eu caí na conversa dele e fui atras para me explicar. ALi eu caí na armadilha, jamais deveria ter ido atras para me explicar. Durante cinco meses ele fazia muitos jogos emocionais, ele queria saber tudo sobre meu passado, namoros, ficantes, quanto tempo eu demorei pra ter relação sexual, se foi menos tempo que demorei pra ter com ele, ele me angustiava, mexia com meu psicológico. Ele sempre insinuava que eu estava armando contra ele, que para minha idade (23 anos, e ele tem 33) eu era mto esperta e poderia facilmente enganá-lo. Uma das ultimas discussões eu o enfrentei, ele dava de dedo na minha cara e eu de dedo na cara dele, ele ficou com tanta raiva que quebrou um pertence meu. Ficamos 1 semana separados e depois voltamos. Voltamos com o compromisso de nos acalmarmos, de conversarmos mais e tentar resolver as coisas com mais serenidade. Isso durou três semanas, até o dia em que ele viu os contatos do meu email e começou a exigir a senha do msn (nem existe mais o msn), dizendo que queria saber se eu ficava de graça com outros homens, eu passei e ele leu todos meus emails e depois ficava jogando na minha cara como se eu tivesse feito algo errado. Outras coisas ás quais eu me submeti:
    - ele fez eu escolher entre deletar o facebook ou excluir antigos amigos, pois segundo ele eu tinha que ter vergonha na cara e não querer mais manter amizade com ngm que soubesse com quem eu ja fiquei. Sério!!!!;
    - Eu não podia fazer cursos a noite;
    - Ele falava q se eu não o atendesse imediatamente ele sentia dor de barriga;
    - Ele queria que eu trocasse meu chip do celular;
    - Fez eu cortar amizade com minha melhor amiga, pois segundo ele, ela sabia o meu histórico amoroso e isso era um fantasma para ele;
    Como eu sou muito explosiva, ele falava sempre que eu tinha que ser mais calma, que eu tinha que aceitar as coisas que ele me falava pq era para o meu próprio bem. Começou a colocar na minha cabeça q eu tinha que comprar um apartamento e sair da casa dos meus pais (enquanto ele, um homem de 33 anos, ganhando super bem, continuaria a morar com os pais). Por fim o término ocorreu mesmo pq não aguentei a invasão no meu email. Eu enxerguei que nada tinha mudado, a diferença é que antes havia abusos emocionais com xingamentos, pancadaria e agora existia com sutilezas, mas estas sutilezas não iria vigorar por muito tempo. Dói demais terminar, mas dói mais ainda imaginar um futuro triste ao lado dele. E pior: a família dele era tão desequilibrada quanto ele.

    • Alana
      Obrigado pelo teu comentário. Tua atitude é exemplar. Sem coragem passamos pela vida como pobres vítimas desamparadas, enquanto que na realidade fomos cúmplices o tempo todo, ou pelo menos por muito tempo. Se o mal não for cortado no inicio, depois pode ser tarde demais, ou muito mais difícil. Se as mulheres fugissem deste tipo de homem, como quem foge de comida estragada, o mundo teria menos mulheres infelizes. Parabéns !!!

      • Alana

        Sr. Carlos, eu é que agradeço, não sei se algum dia terá ideia de como este texto me ajudou a enxergar melhor pelo o que eu tinha passado e vai ajudar tantas outras mulheres. Toda vez quando a saudade aperta (pois é típico esquecermos as coisas ruins e lembrarmos apenas dos momentos bons)eu releio o seu texto e releio meu próprio depoimento, para não deixar me vencer por sentimentos temporários.
        E para todas as mulheres: LUTEM POR ALGUÉM SAUDÁVEL, DO BEM. Como diz meu pai: resisti ao diabo e ele fugirá de vós.

  35. Alana

    Outro ponto que eu me esqueci, fuja de homens que falam mal das ex. Se ele não mostra nenhuma ética ao falar delas, vai falar de você também.
    O meu ex falava de todas, uma por que era topetuda demais, a outra não tinha o que falar dela, porem não havia química, ela era “sem sal”, a outra era A VADIA (o que hoje eu duvido muito), e a ultima tinha tendencias lésbicas (aliás, ora ele falava que ela era muito briguenta, ora falava q ela tinha problemas no sexo), ele contava para todo mundo e ainda dizia o nome dela. Resumindo: ninguém prestava para ele e todas tinham algum problema sério, menos ele.

  36. Fabia Lizandra

    Essa matéria me foi muito útil , pois vivo com uma pessoa assim…só gostaria de estar imprimindo e não tem o desenho da impressora…mas tudo bem,já me ajudou bastante…bom dia!

  37. Jhosy

    Nossa, realmente isso acontecer na vida real, adorei esse texto …

  38. Ana Catarina

    Caro Carlos,

    Tenho 18 anos e por pouco não cai nessa teia. Graças a minha mãe e a minha prima, que me alertaram que o comportamento do meu namorado não era normal, já que infelizmente, nesse tipo de relacionamento eu sou inexperiente, visto que é o meu segundo namorado (Se é que meu primeiro namoro de fato não foi apenas uma ficada). O fato foi que eu tinha uma grande amigo que não encontrava há anos e desde a infancia ela ja nutria sentimentos por mim, pelo menos era o que eu pensava. Como comecei a fazer cursinho eu o reencontrei e nos aproximamos. Ele sempre me fazia rir e por conta do carisma dele estava ele sempre cercado de amigos, ao contrário de mim que sempre fui muito tímida. Ele se aproveitando disso sempre me afastava dos outros, ” Eles não querem estudar, são meus amigos mas não se importam” ou ” vamos estudar no intervalo porque o concorrente está estudando”, dizia ele. Tudo o que fazíamos era junto e sempre ele me afastava cada vez mais dos outros. Até que um dia eu, ele e um grupo de amigos matamos aula (Porque ele esta bem acima do peso e quebrou a cadeira e claro que numa turma de adolescentes a zoação foi intensa, então ele morto de vergonha saiu da sala). No final desse mesmo dia ele me pediu em namoro e eu pela emoção acabei aceitando. Nesse mesmo dia eu dizia que precisava ir para casa, já que era noite e eu precisava pegar o ônibus e ele não deixava. Como ele morava no centro com a tia ele me levou para a casa dela e apresentou à família (o cursinho também é no centro), de cara não gostei da atitude dele e nem tão pouco da cara da tia dele. Como eu tinha dito que não podia demorar ele se apressou. Eu tinha dito a ele que precisava pegar o ônibus e ele disse que iria comigo para a integração da nossa cidade, já queria propor de pegarmos ônibus juntos todos os dias e até aliança de compromisso ele queria comprar para mim, mesmo eu dizendo que não precisava, (ele morando num bairro que praticamente é do outro lado da cidade do meu). Até que cheguei em casa e contei a minha mãe o que aconteceu, minha prima que também estava em nossa casa deu a opinião dela junto com a minha mãe de que ele não era um bom rapaz e que ele iria atrapalhar a minha vida, me impedir de fazer as coisas que eu queria e que tentaria me prender dentro de casa, casar o mais rápido possivel, me engravidar e viver a vida vadiando enquanto eu estaria dentro de casa sem objetivos. Resolvi terminar por medo de que aquilo que minha mãe alertava fosse verdadeiro, mas depois que vi o seu texto e os comentários acima não tive a menor dúvida que eu havia feito mais do que certo e que não era motivo para sofrimento o término do namoro e sim de imensa alegria. Pois vou continuar seguindo atrás dos meus sonhos que não incluem pessoas como essas que mais se assemelham a monstros pelo fato de praticamente serem vampiros pois sugam a vida das parceiras.

    No entanto, eu estou querendo cursar psicologia na minha cidade e então o meu interesse de entender o comportamento das pessoas é enorme. Por isso, gostaria de saber se esse tipo de comportamento possessivo, laborioso, e sanguessuga relatado não só por mim mas por todas as outras mulheres que passaram por isso se trata de uma patologia, síndrome, transtorno ou o quê?

    • Ana Catarina
      Em primeiro lugar parabéns pela tua prudência. Se todas agissem assim quantas desgraças seriam evitadas… O medo da solidão e excessiva tolerância que daí resulta é a semente de tantas tragédias …. Na questão do amor, é preciso radicalizar e ser exigente, senão o mal que se tentava evitar – solidão – se multiplica e torna a vida das mulheres cem vezes pior em relações destrutivas.

      Não acho correto olhar para este tipo de comportamento como se doença fosse. O grande fio condutor para analisarmos o comportamento humano é perceber a intensidade do egoísmo que cada um de nós manifesta. O critério moral, ético, parece-me mais profundo e eficaz do que o critério saúde-doença. Temos que nos responsabilizar por todos os nossos atos e não ficarmos encontrando falsas desculpas no nosso passado, para justificar nossa maldade, violência e corrupção. o comportamento deste tipo de homem nasce de um egoísmo monstruoso, pelo qual eles tem que ser responsabilizados moralmente do começo ao fim. Este comportamento tem que ser visto pelo que ele é, uma forma branda de estupro, roubo, estelionato, extorsão, tortura, que fica camuflado porque tem frequentemente a cumplicidade parcial ou total da suposta vítima. Por isto não é visto como crime, e não é punível judicialmente, em geral.

      • Ana Catarina

        Obrigada Carlos pelos elogios, e principalmente pela a explicação. Concordo com você, as pessoas precisam assumir a responsabilidade dos seus atos. Outro aspecto em que concordo com você é que realmente isso provém de um ” egoismo monstruoso” e estou sentindo isso na pele. Visto que agora virei alvo de vingança. Minha sorte é que por pouco tempo pois estarei ingressando na faculdade daqui a um mês. Continuo com a minha definição que essas pessoas são como vampiros, pois nunca vi um moral tão baixa, parece que elas só cansam quando enfraquece totalmente a vitima, mas algo garanto e digo para todas as outras mulheres, não desistam e lutem com todas as forças para vencer esse algoz, cada ser é unico e nada justifica que outro ser tenha direito de tentar apagar a sua luz interior. Quando nos amamos é que podemos amar alguém, e quando o fizerem sigam o concelho de Carlos ” Sejam exigentes”, e acrescento o meu – Sejam vigilantes, um ato vale mais que mil palavras e nessa hora a lógica é essencial.

        Beijos

  39. Flávia

    Olá! Li todos os relatos e comentários e acredito de verdade que esse tipo de informação deveria ser mais divulgada para que muitas mulheres fossem alertadas e talvez, evitasse um pouco mais tanto sofrimento…Bom, vivi algumas questões similares com várias situações aqui relatadas..Aos 22 anos ainda na faculdade..me apaixonei por uma pessoa atraente, inteligente e muito articulado..em resumo desta história foram 3 anos gostando desta pessoa, estando junto em alguns períodos, outros não e ele sempre falava comigo para estar com outros caras mas fazê-lo de “matriz”..porque não queria namorar e quando namorasse seria para seguir juntos a vida etc..até conhecê-lo eu não conhecia metade da vida como achava que conhecia..conheci outros caras, fiquei um tempo, mas, ele sempre aparecia até que um belo dia me pediu em namoro e aceitei..namoramos durante 3 anos praticamente morávamos juntos e vivemos muitas coisas juntos..mas no princípio do namoro ele parou de estudar, trancou a faculdade e já não trabalhava mais..a minha vida financeira começou a decair quando ele me pediu um empréstimo que não foi alto mas o suficiente para me prejudicar financeiramente visto que eu ainda era estagiária..no decorrer do namoro comecei a gastar muito com saídas..bebidas junto a ele já que ele sempre me falava que iria me ajudar a pagar..mas nunca o fez..foram noites de drogas e bebidas que até então eu nem havia tido contato..confesso que aproveitei muito também mas, vi que o que pra mim era uma diversão a parte, para ele era constante..fins de semana..e sempre que havia bebida..mas mesmo quando não bebia ele sempre me atacava verbalmente..dizia todo santo dia que eu era gorda..que se eu engordasse me largaria..falava para todos que conhecia e conhecidos a mesma coisa..eu vivia com “medo” das reações dele, principalmente porque bebia demais e sempre que eu tentava o regular ele dizia que iria beber mais ainda e o fazia..ficava bravo..agressivo as vezes por isso..ja me empurrou algumas vezes no chão..era estranho com a própria mãe..e esse comportamento foi aparecendo no meio do namoro..fez com que eu me afastasse da minha família, coisa que sempre fui ligada..mas eles nunca desistiram de se fazer presentes..graças a Deus..me isolei bastante dos meus amigos porque tinha vergonha de muita coisa..afinal eu nunca havia passado por nada disso antes..apesar da curtição anterior vi que as coisas eram muito mais sérias do que pensava..ele me humilhava algumas vezes e ao mesmo tempo me fazia me sentir a mulher mais especial do mundo..mas sempre me chamando de gorda..e eu nem sou gorda..sou uma mulher modestia a parte atraente..mas fiquei apagada..descuidada..o meu salario as vezes durava quatro dias e apenas com saídas..trabalhava dobrado e ele nao tinha dó algum..queria curtir e gastar e fingia que estava querendo trabalhar eu tentava o ajudar e nada..nada era bom o suficiente..certa vez quebrou meu computador..me empurrou algumas vezes..e uma vez me chutou que fiquei com a perna roxa por duas semanas…creio que eu não tinha autoestima nenhuma para aceitar tantas coisas..e sempre tive o apoio da minha família..mas tinha medo..não sabendo exatamente do que..mas medo do comportamento agressivo dele com as pessoas as vezes ..comigo também claro..ja brigou algumas vezes na rua..ate que quando comecei a quase adoecer de cansaço, stress, de tudo dessa vida de saídas tb e muito trabalho eu quis terminar..por fim ele disse que iria mudar, não beber mais, sem as drogas de vez em quando e que eu poderia continuar do jeito que estava..dei uma chance..maldita hora..as poucas semanas que ficamos juntos ele foi o homem que eu sonhava a seis anos atrás..mas quando tomou a primeira cerveja vi que nada iria mudar..terminei novamente..ja não gostava mais..foram 3 anos chorando e com medo em silêncio..no que terminei ele me ameaçou..disse que uma hora eu estaria sozinha..que não adiantaria a família..entre outros..recorri a minha família..dei queixa..consegui a medida e abri um processo..a família veio com tudo em cima..recorreu com toda a força..entre outras armas também..depois disso namorei outra pessoa muito massa..ele me ligou uma vez ameaçando um mês depois..e nunca mais..ja se foram 2 anos..posso dizer que essa pessoa marcou a minha vida porque era Deus no céu e ele na terra..vivi coisas com ele que nunca imaginei viver na vida..perigos também aventuras..quando terminei tive muito medo de denunciar muito..porque achava que aí sim iria fazer algo..mas não sei se é o certo ou errado..ouvi da minha cunhada uma frase que talvez ajude “medo por medo você já está com ele! A única coisa que você pode fazer é isso” e foi o que pensei..medo por medo eu já to..hoje sou tranquila mas, não me esqueço de tantas histórias que vivi..se tenho o conhecimento que tenho hoje foi graças a ele e a maldade e malandragem que ele tem, também..mas ainda fico triste quando lembro de tentar entender porquê deixei tudo acontecer..mas, sou feliz sozinha no momento, já me relacionei com outras pessoas, e acredito mesmo sim que existem pessoas boas, como eu! Gostaria de tirar um pouco do sofrimento de cada uma que viveu infernos maiores que o meu ou que se livrassem de pessoas parasitas como a que tive..que me deixou com o nome sujo, a autoestima la embaixo e ainda me culpava de tudo..isso é passado..espero que seja também para muitas! Abraços

    • Flavia
      Acredito que te ajudou muito a sair desta prisão o apoio de tua família, não ter filhos e não depender economicamente dele. Ser jovem também ajuda.
      Existe um tipo de sentimento de culpa que todos nós precisamos ter, é aquele de se sentir responsável pelos próprios atos e não achar que o outro me forçou, enganou, ludibriou e que a culpa é dele, não minha. Somos frequentemente responsáveis, cúmplices e a culpa não é de ninguém, só nossa. Assim podemos aprender com nossos erros e tentar não repetí-los.
      Não desista de tentar compreender porque você deixou tudo acontecer. Esta pergunta é fundamental. Sem autoconhecimento andamos pela vida como cegos ou como sonâmbulos.
      Parabéns por estar sendo capaz de sentir feliz sozinha no momento. Esta capacidade é fundamental para evitarmos relações destrutivas.

  40. Flávia

    Sim, Carlos, você tem razão em dizer que a questão da família foi peça fundamental para as coisas voltarem ao normal..não ter filhos e não depender também do meu ex..ao contrário disso..mas não foi fácil..para mim e para as pessoas que amo..

    Ameaça de morte é algo que nunca imaginei viver nada vida..na verdade eu nunca me imaginei viver com uma pessoa como esta que vivi..visto a minha vida, círculo de amigos..sim..graças a Deus tenho uma família que sempre me apoiou mas, que não sabe da metade o que se passou..

    Tive que contar a verdade sobre tudo, foi horrível..mas não chegaria perto do que conviver com uma pessoa muitas vezes “instável”..agressiva..que já me machucou fisicamente algumas vezes e verbalmente milhares..

    O que aprendi de tudo isso? Que como já dito em comentários anteriores acima, que não me fecharia mais as pessoas ao meu redor para que sempre houvesse onde recorrer..

    Foram tantas situações..a forma bruta como lidava com a mãe..sempre nervoso com ela..comigo..a forma como quase nos matava dirigindo louco..como ja me jogou pra fora do carro..bateu a mão na minha boca e cortou..me chutou..faço daqui um desabafo..tantas coisas..

    Eu não quis envolver ninguém, queria resolver tudo sozinha..e as coisas pioraram..só recorri quando vieram as ameaças..não quis que algo acontecesse e meus pais sofressem com algo pior que pudesse acontecer ..se não fosse válido, o juiz não daria a medida…mas passou..enfrentei com ajuda sim mas não foi fácil..fiz do medo a minha maior arma..

    Sim..a culpa foi minha de tudo ter acontecido..não a tiro, mas, o que erroneamente achei que estaria consertando sozinha..não funcionou =/ ..queria sair disso sem fazer ninguém sofrer..mas não teve como

    Se existem 7 vidas como dizem eu já perdi umas 4..e sim, procuro entender até hoje sempre sempre..por que..fico triste..choro as vezes ..sempre lembro de tudo que aconteceu e pq eu estava doente..apaixonada com alguém que não me amava ..não entendo..mas não posso voltar atrás..hoje pouca coisa me faz medo..ou pessoas..acho que perdi a “inocência” vendo tanta coisa..perigos nas “aventuras” com ele..

    Quando o conheci eu tinha 22..hoje tenho 32..3 anos gostando..3 anos namorando..foram seis anos nisso tudo..

    Aos poucos as respostas aparecerem..

    Obrigada pelo conselho!

  41. maria

    menina, a 10 anos tenho um caso assim meu companheiro me bate,me humilha, mas não consigo me separar dele,ele é muito bom em questão de sexo,a minha doença com ele é essa,ele se vale disso pra cada dia me humilhar mais,o que faço?

  42. Nina

    Meu Deus, por 13 anos eu vivi uma situação degradante. No começo ele era o melhor homem do mundo, atencioso, dizia me amar muito. Mesmo sabendo que tivera outros quatro relacionamentos conturbados, aceitei por acreditar nele. Com 3 mêses de namoro como eu morava sozinha ele pediu para morar comigo, aceitei e fui deixando ele mudar a minha vida; ele vasculhava a minha vida ligava para os meus contatos e me agredia com palavras, uma vez até tentou me esganar, por pena eu fui deixando.E senti que ele queria me dominar, o dia em que pediu para eu fazer uma escolha entre ele e a faculdade, mesmo decidimos comprar um imóvel em conjunto para a minha pior

  43. ANSELMO

    Boa tarde a todos!

    De ante mão, peço-lhes vênia para divergir em parte do texto ora publicado.

    É cediço que na atual sociedade “moderna”, existem mulheres que, na ânsia de manter o relacionamento, acabam sim ficando enfermas.

    Ocorre que muitas dessas moléstias que as acomete (depressão, por ex.) decorre das próprias exigências que lhes são impostas na vida, porquanto no curso de um casamento é necessário que a mulher prime pelos bons costumes (como a fidelidade). Aqui é que os problemas, indubitavelmente, começam a surgir.

    Afora os homens que não zelam por preceitos morais ligados a família e religião,os quais merecem total repúdio, sabe-se que existem mulheres que precisam a todo tempo se sentirem desejadas.

    Nesse viés, qualquer situação banal existente dentro do lar, ressalvada algumas hipóteses, é motivo suficiente para menosprezar o parceiro (e a própria relação).

    Acontece que muitos profissionais da área não relatam em seus blogs que mulheres têm instintos.

    Pincelando o que foi asseverado linhas atrás, as “mulheres” das quais me refiro (e aqui, frisa-se, são a minoria), ficam literalmente doentes quando não podem se sentir desejadas, e é exatamente nesse estágio que começam a ficar transtornadas. Ou seja, nesses casos isolados, a vontade de se relacionar com alguém que deseja é tamanha que qualquer futilidade dentro de casa é motivo para descarregar no companheiro (e aqui fica ainda pior quando se têm filhos, trabalho e um lar a ser zelado, pois tais tarefas sobrecarregam àquela mulher, principalmente porque fica tolhida de fazer algo que não seja com seu parceiro – vale dizer, já estão desejando outro homem).

    E quando as aspirações dela “sobem a cabeça”, tudo é motivo para separação, ainda que o homem (companheiro), seja paradigma dentro de casa e excelente pai (e isso é o que pouco importa para ela nesse momento).

    Gostaria de escrever muito sobre esses casos peculiares. Embora trabalhe com Direito de Família há dez anos, não posso fazer alusões a uma área que não tenho total conhecimento, que é a área da Psicologia.

    Enfim, tudo que é escrito é válido, independente da real situação que cada homem enfrenta (ou enfrentou) com sua mulher.

    Um abraço fraternal a todos!

    Anselmo

  44. Juliana

    Anselmo, também peço-lhe vênia, para enfatizar que és um energúmino.

    • Patricia

      Muito provavelmente Ancelmo é o marido ou namorado de alguma Mulher que o identificou nesse texto, e lhe mostrou: Este é você!

      Não Ancelmo, as mulheres que dão motivos para os homens, não se sentem injustiçadas e sim descobertas! Acredito que não seja o caso de nenhuma delas, a julgar por mim mesma, que nunca desejei outro homem, nunca olhei pra outro homem de forma a demonstrar falta de respeito, e mesmo assim, apesar de ser a mais correta das mulheres o ciúme doentio imperava! E não é ciúme, não é desconfiança, é só uma maneira de achatar mais e mais até a mulher vestir uma burca e não sair mais de casa. E por quê isso? Respondo: Homens que não tem autoestima, não acham que tem razão para serem amados por alguma mulher de livre e espontânea vontade, tentam o fazer à força (e todos sabemos que amor não se impõe, tudo que se impõe é medo, não amor). Chega um ponto que as mulheres deixam de amar esses tiranos e para não apanharem fingem!
      Triste, mas é a realidade!

  45. priscila mara

    nossa ! exatamente o que está acontecendo comigo!! é verdadeiro esse documentário!!!obrigada!

  46. Leleca

    O começo da minha estória é muito idêntica à todos esses posts. Depois de tantas agressões psicológicas e materiais, a escada para a agressão física foi óbvia. Perdoei a primeira vez que ele me bateu. Estava embriagado como sempre, mas achei que não ia acontecer novamente. Naquela noite eu fugi de madrugada da casa de praia onde estavamos. Ele me trancou e esperei ele cair de bêbado como sempre acontecia para pegar as chaves e escapar. Vim dirigindo noite adentro até chegar em local seguro. Peguei o avião de volta pra minha cidade e tentei esquecer o que havia acontecido. Um ano depois o recebi para uma nova vida. Estava mais calmo, pelo menos eu acreditei no que ele dizia. Mas disse para irmos devagar com a relação. Passava períodos longos na internet isolado do mundo. Vendo essa aparente mudança, resolvi juntar dinheiro para custear nossas passagens para as festas de fim de ano, junto as nossas famílias. Um belo dia ele me pede para comprar a passagem dele para uma outra cidade, com o intuito de visitar uma parte da família no Natal e que iria se encontrar comigo no Ano Novo. Eu disse que não faria isso. Ele então causou mais uma briga e se embriagou deixando seu computador aberto. Mais uma vez esperei que ele dormisse. Entrei então em suas mensagens e descobri que ele estava apaixonado e tendo um caso com uma prima e que estava combinando com ela para passarem o Natal juntos. Ou seja, eu iria financiar a safadeza entre os dois. Descobri também inscrições e trocas de mensagens em sites de relacionamento íntimo e percebi que as suas presas eram invariavelmente mulheres carentes, bem sucedidas e maduras. O meu perfil! Ainda perdoei mais uma vez, mas o alcoolismo dele estava se tornando insuportável. Até que ele me deu um tapa no rosto na frente dos meus filhos. Foi a gota d’água. Saiu algemado da minha casa. Mas o coração cristão perdoa e retirei a queixa em troca de uma internação de desintoxicação. Obviamente voltou a beber tanto quanto antes. Hoje ele está por aí, se fingindo de cristão, postando lindas mensagens de fé, mas continua em busca de presas fáceis. Continuamos um certo contato porque ele não tem ninguém já que moramos no exterior. Eu sou profissional bem sucedida e ele ainda pena num entra e sai de empresa, aos 41 anos de idade. Então o ajudo um pouco até mesmo emprestando pequenas quantias em dinheiro que são reembolsados à conta-gotas. Sou muito amiga da família dele que tem em mim a única pessoa que o atura. Hoje me sinto bem nesse papel porque estou livre, vivo minha vida como quero e de quebra ainda passo alguns momentos agradáveis com ele. Por hora, porque tenho filhos menores, é uma posição confortável, mesmo sabendo que pela internet ele me chama de tia para as novas conquistas. Um dia meu coração se abrirá de novo e quem sabe algum homem bom entrará na minha vida. Não me preocupo com isso. Me apaixonar sempre me fez mal. Tive uma avó que ficou viúva aos 40 anos e faleceu aos 95, sem nunca ter se envolvido “oficialmente” com nenhum outro homem. Morreu feliz, com uma filha dedicadíssima (minha mãe) e com netos e bisnetos em volta dela na véspera do falecimento. Lindo defecho o qual espero que o meu se pareça.

  47. Leleca
    O seu relato demonstra que você consegue aprender e tomar novas atitudes, mudar para melhor. Apaixonar-me sempre me fez muito bem. A questão é não perder a lucidez dentro da intensidade da paixão, um equilíbrio difícil, muito difícil mas indispensável. Fugir da vida, fugir do perigo nem sempre é a melhor alternativa. É claro que é possível viver feliz fora de uma relação amorosa, mas também é possível dentro. Coração aberto e amoroso, uma inteligência afiada como navalha para discernir o caráter das pessoas e capacidade de ação rápida para entrar e sair das situações. Viver bem não é fácil ….

  48. Camila Lopes

    Olá, me identifiquei um pouco com cada história contada. Namoro há um ano com um homem extremamente ciumento. No começo da relação, ele tinha o comportamento relativamente normal, mas, sempre se dizia muito apaixonado, ligava muito. Com o tempo, esses comportamentos foram se agravando. Ele me afastou de vários amigos, chegou a falar com alguns sem minha permissão, afastou várias pessoas de mim. Sou uma mulher bastante independente, e isso o deixa enfurecido. Em nossa primeira discussão séria, ele começou a me chamar de vagabunda, miserável, terminei o relacionamento, após essas ofensas. Mas, veio com dramas e chantagem emocional, falando que não iria mais ocorrer. Certo dia, ele viu mensagens de um ex paquera (mensagens antigas), o conheci muito antes dele, e não tinha nada a ver mais com minha vida. Nesse dia, ele ficou transtornado, nós brigamos, e nesse dia, o enfrentei, bati de frente, ele começou a fazer tortura psicológica em mim, dizendo que não sabia do que seria capaz naquela situação, que eu iria pagar o que ele estava passando, nesse dia, ele me agrediu fisicamente, depois me forçou a ter relações sexuais, e começou a passar mal, me arrastou para ir ao hospital com ele, saiu em disparada no carro, fazendo manobras arriscadas e me denegrindo todo o tempo, isso se agravou quando eu falei que dessa vez seria o fim de tudo, e ele começou com ameaças, e eu percebi que seria melhor eu fingir que estava tudo bem, até me ver longe dele. Quando eu estava na casa dos meus pais, terminei a relação, como da outra vez, ele veio atrás, e como eu o amava muito, acabei voltando. Por um tempo ele tratou bem. Mas, bastavam coisas simples para ele ficar transtornado, como uma ligação de um amigo, uma curtida em uma foto do facebook, ele começou a entrar nas minhas redes sociais a força, sem minha permissão, caso eu não quisesse passar a senha, ele começava a me ameaçar, dizendo que eu só sairia com vida do quarto dele, após ele vasculhar minhas redes sociais. Muitas vezes eu o enfrentei, e ele me agredia tanto fisicamente, quanto mentalmente. Terminei por diversas vezes, porém, ele ligava para minha casa, para meu trabalho, por mais que eu desligasse meu celular, o bloqueasse do facebook, ele sempre dava um jeito de aparecer. Começou a dizer que iria se matar por diversas vezes. Chegou a se mostrar na web cam cortando um dos pulsos, quando vi isso, acabei voltando uma das vezes. Certa vez, ele viu uma carta que tinha feito para um ex namorado, ele ficou feito um louco, passei uma semana trancada com ele sob ameaças, tive que inventar várias coisas para minha família, e ele disse que caso eu falasse com a família dele, sobre o que ele estava fazendo comigo, iria me matar. Fiquei sofrendo durante esse tempo, até que tive oportunidade de falar com a tia dele, e ela me disse que agisse com calma, que sabia o que eu estava passando, por ser casada com um homem muito ciumento também. Ele mora com a tia, o esposo dela, a prima e a avó, e o quarto dele, fica nos fundos da casa. Nesse dia, ela me aconselhou, falou que eu era muito jovem, bonita e educada e que aquilo não seria futuro pra mim. A própria tia dele me passou esse conselho. Essa semana que passei lá foi de terror. A avó dele, no decorrer dessa semana, percebeu que ele estava me prendendo e me agredindo, começou a passar mal, e vi a morte naquele dia. Fiquei sem enfrentar ele, e tentei o deixar calmo. Quando ele percebeu que teria que me deixar ir embora, porque minha família já estava desconfiando, ele me deixou ir. Chegando à casa dos meus pais, terminei a relação, durante três meses ele me perseguiu, falou que iria matar minha família, que iria me matar e iria matar quem se aproximasse de mim. Até que, com o passar do tempo, ele começou com chantagens, falando que iria se matar, até que certo dia, ele ligou se despedindo, falando que iria se matar naquele dia pediu desculpas e disse que se arrependia de tudo. Depois de muita conversa, acabei voltando novamente. Quando voltamos, parecia tudo perfeitamente bem, até que o tempo as coisas ficaram pior que antes. Tudo que acontecia de errado na vida dele, ele falava que era minha culpa. Ele tinha problemas como dores no peito, problemas intestinais, e ele falava que tudo aquilo era culpa minha e que eu iria pagar tudo de ruim que eu fazia, DETALHE, eu não fazia nada. Ele ficava irritado com minha felicidade, e se sentia feliz quando me via sofrer e chorar. A paixão louca que eu sentia por ele, me fazia não ter forças pra terminar mais a relação, me sentia dependente dele totalmente. Várias vezes fui forçada a sair de carro com ele dirigindo feito um louco, gerava brigas no transito, ameaça as pessoas e falava que aquilo era culpa minha. Vi a morte várias vezes andando tanto de carro como de moto também com ele. Ele tratava muito mal a avó dele também. Comecei a perceber que ele era um homem completamente covarde. Falava que eu o traia que eu não podia ver homem, falava que eu era vagabunda. Isso eu sendo totalmente fiel, ele criava histórias. Comecei a pedir que ele fizesse tratamento, mas ele nunca fez. Ele é um homem caseiro, não sai, não bebe e não fica com outras mulheres, porém, ele é uma pessoa que precisa de ajuda psiquiátrica. Ele é carinhoso, e fala que me ama sempre. Essas atitudes dele são por momento, como uma bipolaridade. Ele sempre tenta resolver tudo com sexo, e acha que ficou tudo bem depois. Atualmente, me vejo perdida. Ele foi meu primeiro namorado, foi com ele que perdi minha virgindade. Perdi minha vontade de viver por me sentir dependente dele. Passei a madrugada lendo todos os relatos, e cheguei à conclusão de que se eu continuar com ele irei ter uma vida infeliz. Sinto-me sem vida, feia e desiludida, já não durmo bem há meses, e estou sofrendo de ansiedade. Penso em procurar ajuda psicológica e falar com minha família. Os amigos se afastaram de mim por conta dele e minha família não sabe o que se passa. Tenho sorte em ter uma família estruturada que sei que irá me acolher e me ajudar a sair desse inferno que vivo atualmente. Quando olho para mim há um ano trás, vejo outra pessoa. Sinto-me um nada atualmente. E quando penso em não ter mais ele por perto, tenho palpitações e pânico. Hoje eu sei, ele não irá mudar, ele irá arruinar minha vida completamente caso eu não aja o mais rápido possível. Sinto-me depressiva e frustrada. Tudo teria sido mais fácil, se eu nunca tivesse voltado a primeira vez que terminei o relacionamento. Tenho que ter forças, eu tenho família, sou jovem, não dependo financeiramente dele e não tenho filhos com ele. Sei que ele jamais será um bom esposo ou pai. Esqueci de mencionar, que homens do tipo dele, procuram prender a mulher de qualquer forma, fala em casamento a todo o momento, e em ter filhos, pelo simples fato de ter um vinculo maior. Preciso ser forte e terminar esse relacionamento, antes que ele acabe com minha vida. A única força que tenho vem da minha família, quando penso nos meus pais, no sofrimento dos meus pais caso venha acontecer algo com minha vida. Eu era uma menina feliz e cheia de sonhos antes de conhecê-lo. Breve, contarei o desfecho dessa história a vocês. Abraços!

  49. Pensativo

    Carlos,
    li as reclamações das mulheres em seu artigo Homens Perigosos.
    Aproveito para colocar um drama masculino. Toda 6a feira eu saia de meu trabalho, onde sempre houve muita pressão e cobrança, e, quando me aproximava de casa, passava na porta dos butecos, que não faltam em BH onde moro, e via meus vizinhos em animadas conversas em volta de uma mesa com muita cerveja gelada. Eu tinha então uma grande vontade de tomar aquela cerveja gelada para comemorar o fim de mais uma semana de trabalho e a chegada do sábado, sem pressão e cobrança de trabalho. Mas como eu tinha esposa e filhos menores e também queria dedicar meu tempo livre a meus filhos eu pensava: porque eu não compro a cerveja e vou tomá-la em casa?
    E decidia subir ao meu apartamento pegar os “cascos”, garrafas vazias, para trocá-las pelas cheias no buteco e ir tomar minha cervejinha junto da família.
    Mas era só eu abrir a porta de casa que minha esposa, hoje ex, vinha pra cima de mim despejando milhares de problemas pequenos, médios e grandes, aí você já viu, a vontade de tomar a cerveja se ia, pois a sensação de alívio passava, eu posso te dizer que dava até vontade de voltar para o serviço e encarar os chefes de lá. Isso aqui não é gozação, nem provocação às muitas mulheres pensativas que leem esse artigo. Isso foi minha vida, até o momento que meus filhos já estavam criados e achei que devia sair de casa, hoje moro sozinho.
    Aí vem a pergunta: faz parte da natureza feminina essas cobranças infinitas em cima de seus parceiros ou isso pode ser um karma de vidas passadas como alguém já me disse?

  50. Carlos Bittencourt Almeida

    em resposta ao leitor ‘Pensativo’

    Se buscamos um equivalente feminino ao perfil que descrevo no artigo “Homens Perigosos”, ele seria bem descrito nas palavras Mulheres Insaciáveis. Os homens tendem mais frequentemente a ameaças de violência, atos violentos. As mulheres, em geral, são mais sutis, mais indiretas. Visam ao mesmo fim, mas pressionam de modo diferente. Ambos os estilos querem resolver a dor interna que a grande maioria dos seres humanos carrega, a carência, o vazio, a percepção de que nos falta algo essencial para conseguirmos relaxar, nos sentirmos em paz, felizes. O impulso sexual afetivo que move as relações homem mulher é exatamente este anseio de completude, de felicidade, de prazer e alegria que iria nos saciar, acalmar.

    Infelizmente é muito raro encontrar um relacionamento homem mulher de longa duração que tenha levado a esta harmonia, esta saciedade, paz e alegria. Para este tipo de relação humana ser bem sucedido ambos os parceiros precisam ter desenvolvido uma grande capacidade de autonomia, de independência interior. A capacidade de ser feliz sozinho, de encantar-se e alegrar-se com a vida, de entusiasmar-se de modo persistente e duradouro por atividades autônomas é o grande segredo da felicidade e consequentemente um pré-requisito para um relacionamento saudável entre homens e mulheres.

    No impulso cego da carência responsabilizamos o outro pela nossa felicidade, vivemos na ilusão de que se o outro se dedicar a nós completamente, atender a todos os nossos desejos, alcançaremos a paz, seremos felizes. Deste impulso, desta ilusão, nasce o desejo de possuir o outro, nasce o ciúme insaciável, o desejo de sermos para ele a única alegria, a única felicidade. Tem pessoas que têm ciúme de qualquer atividade autônoma que o outro deseje e goste, como ler, pintar, dançar, esportes, cuidar de animais ou plantas, etc. Ou seja, além do ciúme da alegria que o outro possa encontrar em outras relações humanas com amigos e amigas, pais, irmãos, filhos, existe o ciúme de atividades solitárias.

    A atitude que você descreve de tua ex-esposa, visa o mesmo fim. Há mulheres que querem que o homem seja o resolve-tudo, soluciona tudo, tenha receitas mágicas para retirar todos os sofrimentos e frustrações que a vida traz. É como se ela falasse: ‘Se você me amar de verdade vai resolver tudo para mim, vai me fazer feliz resolvendo todos os meus problemas do cotidiano, tendo uma ótima solução para todos eles.’ Missão impossível, naturalmente! A arte de bem viver é também solucionar problemas, mas frequentemente é saber lidar, com serenidade e sem perder a alegria de viver, com problemas que não tem solução, que estão fora de nossa capacidade de resolução. Doenças próprias ou alheias, a morte de seres queridos, injustiças da estrutura da sociedade, sofrimentos a nós causados por pessoas muito egoístas ou mal intencionadas, sofrimentos que vêm do fato de que pessoas de quem gostamos estão sofrendo ou tendo comportamentos doentios ou incorretos, tudo isto, em grande parte, está fora da capacidade de qualquer um de nós resolver de modo completo e definitivo.

    A característica central de mulher que estabelece uma relação de longa duração com aqueles que chamei de Homens Perigosos é a submissão. Ela tem a ilusão de que se fizer tudo o que ele quer, ele vai reconhecer, vai amá-la de verdade e ela vai se sentir feliz, não vai ser abandonada nem se sentir só. Fracasso garantido! Estes homens são também insaciáveis, tudo que se der a eles é sempre pouco, querem mais, facilmente estão de novo mal humorados, exigindo novos sacrifícios e fazendo exigências absurdas.

    O perfil feminino oposto é o da mulher exigente, que pode ser externamente brava, ou às vezes delicada e aparentemente mansa, mas sempre insatisfeita, sempre queixosa, sempre necessita novas provas de amor. ‘Se você me amar de verdade fará isto por mim.’ E tudo que se fizer é pouco, sempre falta algo, não ficou bom, podia ter sido melhor.

    O grande ponto cego das Mulheres Insaciáveis e dos Homens Perigosos, dos homens e mulheres submissos que se vinculam a estes dois tipos, é a ilusão de que o outro me fará feliz, se ele me der tudo ou se eu der tudo a ele, a felicidade, a paz, vai viver em mim. A dura realidade, ao mesmo tempo a porta para a liberdade, é percebermos que 70% de nossa felicidade terá que vir de nós mesmos. Temos de consegui-la a sós, autonomamente. Temos que ser capazes de, a maior parte do tempo, encontrar alegria de viver por recursos próprios. Aí então a alegria de viver um grande amor pode ser possível. Se não faço exigências absurdas ao outro, posso me relacionar com ele saudavelmente. Posso ser grato ao que ele me dá, posso admirá-lo na sua autonomia e liberdade, pois sei o quanto e necessária para mim a minha autonomia e liberdade.

    Termino com uma citação de Kalil Gibran, do livro ‘O Profeta’ no capítulo sobre o Matrimônio: ‘ Cantai e dançai juntos e sede alegres, mas deixai cada um de vós estar sozinho.’ ‘Vivei juntos, mas não vos aconchegueis demasiadamente, pois as colunas do templo erguem-se separadamente, e o carvalho e o cipreste não crescem à sombra um do outro.’

  51. Estela

    Impressionada com a lucidez do autor, descreveu sua experiência como profissional. Tudo pura verdade! uma das variáveis desse desfecho, que eu já presenciei umas três vezes com conhecidas. É quando o marido morre e a mulher se liberta e com a pensão que recebe do falecido, vai viver a vida. Filhos já adultos e independentes. Ela vai Cuida de sua aparência, viaja e se aproveita dos jovens canalhas,de outra linha, que por sua vez tentam aproveitar-se dela que, já curtida e sofrida, sabe onde está pisando.

  52. Mercia rodrigues

    Passei por situação semelhante com um homem que se aproximou de mim, após 08 anos de minha separação do meu primeiro marido.
    Na minha ansia de refazer a minha vida afetiva, não prestei atenção ao sinais (eles sempre dão sinais) e após 1 anos fomos morar juntos e logo começou o meu calvário.
    Graças a Deus e a uma excelente terapeuta consegui sair, na última agressão verbal que sofri, fui tomada por uma coragem que não sabia que possuia, falei mais alto do que que ele e o expulsei da minha casa, claro que a partir daí começou a persegução, mas tratei de contar tudo para a minha familia e os meus amigos que foram e são a minha rede de apoio.
    Hoje entendo que a minha reação e a saída daquela loucura foi fruto do trabalho de recuperação da minha autoestima que, já não era muito alta, e que ele trabalhava incessantemente para destruir.
    A questão de fundo sobre esta aceitação das mulheres é de origem psicologica e um trabalho com um terapeuta com experiência em tratamento de dependência emocional pode dar bons resultados, como no meu caso.
    existe uma farta literatura que trata com seriedade deste assunto, sugiro a todas a leitura do livro “Mulheres Que Amam Demais” da escritora americana Robin Norwood, explica muito sobre este comportamento feminino.
    existem também os grupos de apoio como o MADA, que são gratuitos e fazem um excelente trabalho.
    Fiquem com Deus!

  53. rose

    To em choque com tudo o que li, vivi exatamente tudo descrito ai, acabei de terminar um relacionamento com um louco, possessivo, psicopata, mentiroso.Namorei onze meses e desde o começo ele já se mostrava ciumento, mas era sutil, eu achava bonitinho o ciúme que ele tinha de mim, mas com o tempo só piorou, uma vez curti uma frase do Chico Xavier, ele acabou comigo, falou muito, tive que excluir amigos do face pq ele tinha ciúmes, e fui vivendo isso, terminava e voltava, uma vez ele fez escândalo na minha casa pq um suposto ex ficante meu tinha adicionado ele no face, depois descobri que era mentira, ele que adicionou, nesse dia ele me empurrou, terminei de novo, ai ele veio pedir desculpas, voltei de novo, na segunda vez me deu uma cabeçada falou horrores de mim, que meu corpo era zuado , dei um tapa na cara dele por isso ele me deu uma cabeçada, terminamos, ai ele veio arrependido e eu tonta por gostar dele ainda voltei, sendo que toda a minha familia e meus amigos sempre me falavam pra terminar , sempre me alertaram, mas eu não terminava, agora fazia uma semana que tínhamos voltado, foi pior dessa vez, saímos e ele bebeu duas garrafas de wisk, começou a fazer escândalo no bar, me chamou de vadia, que dava pra todo mundo, falou isso na frente das pessoas, todo mundo tentando acalmar ele e eu do lado quieta e escutando , depois quis conversar no bar mesmo e eu fui, tive que escutar ele me chamando de vadia, que era pra eu contar que tinha saido com dois caras, e eu querendo sair de perto dele ai ele falava que se eu saísse ia no microfone me chamar de vadia pra td mundo saber, no fim fui levar ele. Ainda na casa dele , ai sim ficou pior, ele me deu dois murros no rosto, me sufocou, mas eu dei na cara dele, consegui tirar sangue do nariz dele, ele disse que ia me difamar na cidade, não tive coragem de contar isso pra minha familia, tenho uma filha e ela viu o galo na minha testa falei que tinha batido, to morrendo de vergonha das pessoas, exclui ele do meu whats, bloqueei no face, não quero mais contato nenhum, to horrorizada com o que ele fez, ele sempre foi doido pra ter filho tb, sempre me falava pra ficar gravida, fazer tratamento, agora descobri que duas ex namoradas dele abortaram de tanto que ele batia, ele mente muito pras pessoas, agora vem todo mundo falar, ele disse pras pessoas que já usou todo tipo de droga sendo que eu nunca soube disso, eu sou independente, tenho minha casa, carro, não preciso dele, acho que ele se sentia inferior, pq ele fala pras pessoas que tem casa na praia, Mercedes, mas mora num lugar simples, eu sempre fui uma pessoa tão calma, cheia de amigos, não sei como cai nessa, idealizei uma pessoa que não existe, agora minhas amigas falam pra eu tomar cuidado que ele pode vir atras de mim, sera gente? Desculpe, minha história ta confusa, mas ainda to nervosa pq isso aconteceu dia 20/11 , tem tanta coisa ainda pra escrever de que nem sei, ele adora uma igreja, vai umas três vezes por semana na missa, adora postar frases bíblicas, alias ele posta o dia todo no face, coisas que eu sentia vergonha por ele,.

  54. silmara

    O que li aqui realmente me faz ver como é comum as mulheres serem vítimas dessa forma.
    Estou a sete meses separada de meu companheiro, com quem vivi seis anos, nos quais três de puro amor e paixão.
    Ele, enquanto eu não morava com ele e não dependia financeiramente dele, me tratava como rainha, tinha seus rompantes de ciúme. Queria controlar minha vida em tudo, mas eu achava que ele me amava e que quando fossemos morar juntos e ele visse que poderia confiar em mim, tudo mudaria. Qual nada.
    Perdi meu emprego na cidade que morávamos e ele foi transferido, já que é funcionário público. Insistiu até que larguei a casa de meus pais e fui morar com ele.
    Ele é alcoólatra também, fui perceber isso depois de estarmos morando juntos. Ele teve duas ex-mulheres e quatro filhos. Dois com a primeira, um com uma moça que ele conheceu e outra com a segunda mulher. Ele queria sempre que eu engravidasse, inclusive vivia me acusando que eu não podia ter filhos por ter feito muitos abortos antes (ele era louco). Me acusava de coisas malucas. Eu morava em um apartamento, ele viajava e me trancava, ele ficava uma semana e eu fechada, nem o lixo eu podia levar, caso contrário ele dizia que eu queria ver outros homens. Falava mal da minha família que é maravilhosa. Dizia que meus irmãos eram cornos, minhas irmãs são putas e que minha mãe não gostava de mim. Chegou a dizer que eu não sou filha legítima, já que sou um pouco mais morena que minhas irmãs. Só eu sei o que passei. Deixei dele umas dez vezes nesses três anos. Eu voltava para a casa de meus pais, aí ele vinha, pedia perdão de joelhos, dizia que não faria mais aquilo, eu acreditava e voltava, pois o amava demais.
    No último ano, ele começou a me bater com frequência. Quebrava as coisas de casa, me trancava. Eu nunca tinha dinheiro, pois ele tinha medo que eu saísse para comprar algo sem ele.
    Minha família cansou de me ajudar, mas se eu pedia eles vinham me buscar.
    Agora ele desistiu. Veio por uns quatro meses atrás de mim, prometeu tudo denovo, mas dessa vez tive coragem e não voltei.
    Ele me acusou de tudo que possam imaginar. Moro em uma cidade portuária com minha irmã, estou trabalhando, ele chegou a dizer que faço ponto no porto, que vou pegar AIDS, que meu cunhado me quer, que meu sobrinho de dez anos me vê pelada, coisas horríveis. Agora desistiu mesmo. Fiquei sabendo que ele está com outra. A família dele não gosta de mim, acham que fiz errado. Que deveria ter ficado com ele, pois dizem que ele é bom e que eu escolhi deixá-lo porque não o amava.
    Estou seguindo minha vida, não tive filhos, agradeço a Deus por isso e consegui com a ajuda de psicólogos e minha família sair daquele mundo ao qual é só deles. Um mundo onde as coisas mundanas prevalecem. Um mundo onde as pessoas se encontram para a perversão.
    Olha a loucura em que esses homens vivem, deve com certeza fazer parte de uma infância nesse nível.
    Digo a todas as mulheres que vivem essa situação: Se não tiverem coragem e abandonarem eles, viverão sempre assim, pois mudar eles não mudam, amor eles não sentem e matar eles não matam. Podem agredirem-nos quando não tem ninguém que nos defenda, mas a partir da hora que vocês decidirem e cumprirem, eles se afastam e procuram outras vítimas.
    Eles são covardes, se aproveitam de nossa fraqueza e nos impedem de viver. Devemos dar um basta a isso. Se amem, todas conseguimos, se realmente estivermos dispostas a recomeçar, seja com filhos ou sem filhos, não deixemos que um homem covarde faça isso com nossa vida. Vida que Deus nos permitir viver em paz e alegria.

  55. Ana Maria Palazoni

    Minha história de terror não foi longa, durou apenas 10 meses, mas o estrago psicológico e financeiro foi monstruoso e pelo que li aqui, creio que foi a pior história. Convivi com um homem que no início me tratava como uma deusa, me elogiava o tempo todo, mas que com o passar do tempo foi demonstrando um ciúme excessivo, doentio, revirava mensagens antigas no meu celular, no facebook, procurava bilhetinhos, números de telefone nas minhas coisas, porque na cabeça dele era certeza que “eu o traia ou o trairia um dia”, pior é que isso nunca nem me passou pela cabeça.
    A princípio eu acreditava que fosse só insegurança dele, início de relacionamento, que já tivesse passado por alguma traição e que tinha medo de que isso se repetisse, mas as agressões verbais aumentavam por causa de coisas bobas, uma cisma no mercado, no ônibus, na fila do banco, hospital e assim por diante, por qualquer suspeita me chamava de vadia, de vagabunda, prostituta, etc, dizia que meus ex namorados só me usaram, porque eu era fácil e que ele sim me amava e era o único capaz de me fazer feliz. Na sequência se arrependia, me pedia um milhão de desculpas, que agia assim por medo de me perder, que sabia do meu caráter, da minha dignidade, que eu era “tudo o que ele sempre pediu a Deus”, que dizia aquelas coisas pra me ferir porque ficava nervoso.
    Ele vivia de bicos, nem sempre estava trabalhando e assim tinha o dia todo pra me controlar, com mensagens no celular, ligações, e se eu não visse a mensagem ou se demorasse pra responder porque estava no trabalho, ele já queria saber o motivo, já desconfiava.
    Quando ele veio morar comigo, achei que as desconfianças passariam que ele veria que não tinha razão pra isso, que ficaria mais seguro com a relação, puro engano…se saíamos de casa, ele sempre cismava que eu estava olhando pra outro homem, e que homens me encaravam e eu os correspondia. Tinha ciúmes dos vizinhos, das minhas amizades (reais) as virtuais ele controlava, da minha família, dos meus filhos e chegou a dizer que não queria nem pensar que um dia outro homem tivesse me tocado antes dele, detalhe…já fui casada e tenho filhos adolescentes. Foi aí que eu vi o barco furado onde me encontrava, nesse período descobri que ele não era ex usuário de cocaína como ele dizia, que ainda usava “de vez em quando”, ou seja SEMPRE. Bastava ele ser contrariado que bebia dia e noite e usava drogas, e claro, me culpava pelo que fazia ou dizia nesse período. Certo dia ele já bêbado e drogado, resolve então ameaçar que vai me bater, diz que vai me matar porque sou uma vagabunda, eu avisei que se pusesse a mão em mim, íamos parar na delegacia, porque registraria o B.O. na mesma hora, aproveitando um vacilo e o estado de embriaguês dele, não esperei pra ver se cumpriria a ameaça, fugi pra casa dos meus pais, mas ele não me deu sossego, insistia, implorava pra voltarmos, 20, 30, 40 vezes por dia, que estava mudado, que tinha reconhecido seus erros, me provou que agora freqüentava a igreja, freqüentava uma reunião com ex dependentes quimícos e que eu não podia abandoná-lo nesse momento, que precisava de mim, do meu apoio e eu idiota que fui cedi. Não demorou e a 1ª agressão ocorreu, cumpri o que havia dito e registrei um B.O. contra ele, com raiva ele ateou fogo no meu apartamento e fugiu, perdi tudo, roupas, sapatos, a mobília que ainda estava pagando. Os pedidos de perdão voltaram a insistir, não respondi e nem vou responder, depois da agressão e do prejuízo no apartamento, a única coisa que eu queria dele era distância, foi então que ele tentou me matar com uma faca da cozinha e acabou preso em flagrante por tentativa de homicídio, mas logo foi colocado em liberdade. Hoje não sei onde essa pessoa está e nem se desistiu de me perseguir, vivo com medo que volte pra infernizar minha vida ou até mesmo tirá-la como diz a famosa frase “não é minha, não vai ser de ninguém”. O que me aconselha a fazer pra manter a minha integridade física? Ele se enquadraria na condição de psicopata? Essa insistência dele nesse amor obsessivo um dia acaba?

    • Ana Maria
      Com certeza se ele encontrar nova vítima, esquecerá por completo de você. Tome todas as medidas juridicas cabíveis para mantê-lo à distancia e notifique a polícia de cada trangressão ou ameaça que ele fizer.Dizer se ele é um psicopata ou não é irrelevante no contexto. Voce já sabe do que ele é capaz. Seja imensamente exigente em qualquer novo relacionamento. Tudo isto aconteceu porque você quis ter esperança contra todas as evidências. Este é o erro da maioria das mulheres que se envolvem com este tipo de homem. Por medo da solidão se envolvem com homens totalmente doentios. Suponho que agora você sabe que a dor da solidão é bem melhor do que o medo que você está sentindo. Estas situações são mais fáceis de prevenir do que de remediar. Mas não perca a coragem nem a alegria de viver. Morrer todos nós vamos, que até lá vivamos uma vida intensa, interessante e corajosa.

  56. Maria Alice

    Olá Carlos,

    Me identifiquei muito com o texto, e felizmente à tempo. Namorei 5 anos com uma pessoa, e o amo do fundo do meu coração, mas os sinais que ele me dava deixaram claro que um dia teria graves problemas se não o deixasse agora.
    Ele sempre se dizia muito apaixonado por mim, me cobria de elogios e mimos, mas era extremamente ciumento, eu não podia ter amigos homens, e as minhas amigas todas eram ruins, más influencias, ele não gostava das minhas primas e dos primos então eu tinha que manter distância. Queria controlar todas as minhas redes sociais. Sempre disse que faria o possivel pra que eu nunca precisasse trabalhar, pq ele queria cuidar de mim muito bem .. Eu não podia usar as roupas que queria, em tudo ele me censurava. Eu tenho 20 anos e sempre lutei pela minha independência, mas ele queria controlar minha vida, até que um dia, em uma das nossas brigas, ele achou que eu o estava traindo ( louco ) ligou pra minha mãe ( que até gostava dele) disse que ia me matar, naquele dia ia acabar com a minha vida, a minha mãe, coitada, ficou com muito medo e me aconselhou muito pra que não continuasse com ele .. ele fazia muitos planos de casamento e sempre me pedia pra termos filhos logo,que o sonho dele era era ser pai, mas eu quero ir pra faculdade, não pretendo me casar agora.. no dia que li esse texto, querido Carlos, e os tristes relatos das mulheres que tiveram o desprazer de se envolver com homens assim, enxerguei meu namorado, e caí fora logo, é muito difícil sabe, ele faz muita pressão psicológica, e eu gosto muito dele, mas eu sei que tenho que ser forte !! hoje só escrevo pra agradecer, achei esse texto de grande utilidade, seria bom que outras mulheres lessem !! (e que tomassem consciência né)

  57. Maria Alice
    A especialidade deste tipo de homem é fazer pressão psicológica. Aprenda a resistir …. O que é essencial para sair fora deste tipo de relação ou para avaliar qualquer relacionamento homem mulher é saber que sempre é tudo ou nada. Não há como conviver só com as partes boas de uma pessoa. Perfume e espinho vem juntos, inseparáveis. Fico feliz que você tenha conseguido escapar a tempo, parabens pela coragem. Voce não precisa deixar de amar seu ex namorado. Amor fraterno podemos sentir por muitas pessoas, viver isto torna a vida bela e luminosa. O que você não pode é deseja-lo, querer uma vida ao lado dele. Aí é o inferno na Terra.

  58. Camila

    Esse texto relatou toda minha trajetória em 13 anos de relacionamento, terminei de ler aos prantos. Conheci meu marido tinha 23 anos, hoje com 36 não tenho vida, são anos de ameaças, agressões, exploração. Qdo fui morar com ele, trabalhava, ele era apaixonado, apesar das evidências do apelo da minha família, fui morar com ele. Qdo engravidei do primeiro filho começaram as noitadas, traições em público, humilhações até falta de alimento, nunca facilitou pra eu voltar a trabalhar, dizia que podia sustentar a casa e a mulher, nem anticoncepcional me deixava tomar, aí logo veio meu segundo agora uma menina, chorei muito pensando em como seria com dois filhos, a essa altura já tinha saído de casa umas 20 vezes e ele sempre conseguia me convencer a voltar. Aí minha família cansou de me ajudar e fiquei cada vez mais só, sem amigos, sem dinheiro até os vizinhos evitavam contato comigo devido aos constantes escândalos e quebradeiras. Meus filhos cresceram um pouco e resolvi trabalhar, arrumei uma creche e passei num concurso, ia ser temporário mas já era um começo, qdo ele sentiu que a escrava ia ganhar a liberdade colocou um comércio no bairro onde moramos e me convenceu mais uma vez a desistir da minha vida pra ajudá-lo. O tempo passou hoje sou obrigada a trabalhar uma jornada de 10 horas por dia de domingo à domingo, se não trabalhar não como, nem meus filhos, ele quebra tudo em casa, bebe todo dia, bate nas crianças que já se criaram revoltadas, nervosas, com problemas escolares, a minha única saída foi abrir uma conta e depositar dinheiro pra um dia comprar uma casa e ir embora com meus filhos. Estou dilacerada, cansada no limite do esgotamento físico, mas o que me segura é minha fé em Deus e saber que tantas sofrem como eu.

  59. Clara Maria

    Olá, Dr. Carlos. Tenho dúvidas com relação ao meu namoro. Ele é o meu primeiro namorado e primeiro homem. Me entreguei para ele. Gostaria que o senhor me ajudasse. Tenho 24 anos. Meu namorado, com um mês de namoro já falava em casamento. Sempre quis mulher virgem para casar, mas segundo ele nunca encontrava. Até que me encontrou. Sempre fui criada num lar religioso. Pois bem, ele sempre teve um pouco de ciúmes. Normal. Mas de uns meses pra cá tenho percebido que não são apenas ciúmes e sim possessão. Por exemplo, uma simples caminhada que eu faço já é motivo para ele fechar a cara e começar a me tratar com indiferença. Percebo também que ele não gosta que eu tenha amigas. Ele também não gosta que eu estude pra concurso, pois sempre impõe dificuldades, diz que é difícil, que tem gente se preparando há muito tempo, que quando passa eles mandam pra longe… Quando fazia academia, ele também colocava mil dificuldades, até eu parar. E coisas às vezes que ele fala brincando me deixam com um certo medo. Por exemplo: ele já disse que vai me prender dentro de sete chaves depois que se casar cmg. Até com a minha maquiagem ele já implicou. No namoro ele tem demonstrado esse sinais, mas tenho medo que ele mostre as “garras” mesmo só depois que casar. Pq aí não tem volta. Nunca demonstrou, mas tbm me diz que é mt bravo. Além disso, ele sempre me pergunta se não vai ter outro homem depois dele, se vai ser ele pra sempre.Tenho medo de estar me casando com um psicopata que vai me querer só pra ele, vai me prender em casa, vai me isolar, vai me afastar da minha família (pai, mãe e irmãs)e amigas. O que eu faço, Dr? Por favor, me ajuda. Gosto muito dele, mas tb quero o melhor pra mim.

  60. Clara Maria
    Eu acredito que uma relação homem mulher só tem bases saudáveis se os direitos são iguais. Primeira pergunta: este homem que queria uma mulher virgem, era ele próprio virgem ? Se não está exigindo o que não tem para dar. O homem que quer uma mulher virgem nos tempos atuais provavelmente tem medo da comparação. E se ela já tiver tido homens muito melhores do que eu no sexo? Se ela for virgem não vai descobrir ninguém melhor. Se eu for um amante ruim ela não vai saber, vai achar que todo homem é assim.
    Um homem que não quer que você tenha vida própria longe dele transborda egoísmo, tem medo de suas condutas serem criticadas por outros. Se você não conversar com ninguém ele será o seu comandante, vai te convencer do que quiser, sem a interferência de outras opiniões.
    Não creia como antigamente as mulheres acreditavam que Deus quer que você se case com este homem, porque perdeu a virgindade com ele. Não creio que este tipo de maldade venha de Deus. Ninguém nasce experiente, e experiência se ganha entre erros e acertos. Escolher mal uma primeira vez, não significa ter que persistir no erro porque Deus quer assim. Não acredito que Deus tenha este tipo de crueldade.
    Você tem nesta coluna dezenas de depoimentos de pessoas que fizeram uma má escolha e vivem uma vida de intensa infelicidade. Não siga este caminho. A relação mais difícil que existe é a relação homem mulher erótica. Aprender a conhecer um outro ser humano leva anos, e sempre ainda pode haver grandes surpresas. Entre e saia de relacionamentos com quantos homens for necessário até encontrar alguém com quem você tenha alguma segurança de que é a pessoa certa. E se depois de anos, mudar de idéia, saia fora.
    A arte de ser feliz é a mais difícil que existe. Não desista, não fique estagnada na dor, crie sempre novas alternativas.
    Boa sorte.

  61. Michelle Almeida

    Estou passando por isso! Não sei o que fazer, ele é muito possessivo, não me deixa estudar, trabalhar, me relacionar com amizades, já me isolei de tudo. Hoje tenho 2 meninas, penso muito nelas. Ele é um bom marido (assim me faz pensar), um excelente pai. Mas eu não estou feliz, tenho uma vida material boa, mas não vivo a vida, que tanto me faz falta… O que eu faço????????

  62. De souza

    Oi estou passando por uma situação complicada sou casada há 7 anos e quando conheci meu marido ele era o homem mais que perfeito, excelente marido… sempre criticava coisas erradas, tem uma oratória espetacular… porém só a oratória, a prática é totalmente diferente… enfim o homem que toda a mulher sonha! Aceitou a minha filha que na época do casamento tinha 5 anos! No começo tudo maravilha porém já nesse início me deixava constantemente sozinha pra sair com os amigos… nunca me elogiou e sempre quando eu estava bem arrumada me criticava… e eu sempre me sentia um lixo! Quando saímos na rua olhava para todas as mulheres e eu do lado me sentindo um lixo… Depois de algum tempo descobri que ele é viciado em pornografia e diversas vezes peguei inúmeras situações no computador inclusive de contas falsas dele com outros nomes… perdoei inúmeras vezes mas ele sempre voltava a fazer isso… até que um dia minha filha comentou comigo que ele mostrou vídeos para ela de conteúdo obsceno e papinhos sobre sexo com ela… Depois disso nunca mais deixei os dois sozinhos e nunca mais tive paz! Até a pouco tempo atrás descobri pela Internet ele marcando um encontro com uma garota… e depois de diversas vezes ele sempre vem bonzinho como se fosse o homem perfeito… mas sei que ele irá fazer novamente! Larguei meu trabalho, abandonei os amigos e a pequena família que eu tinha e dependo financeiramente dele… não tenho sequer um real pra comprar comida… Não tenho pra onde ir… Estou perdida… totalmente dilacerada por dentro me sentindo um lixo… Estou com medo de tudo… Estou tentando arrumar um emprego, mas está muito difícil pois já não sou tão jovem… ele nunca me bateu, mas meu interior… meu psicológico foi totalmente destruído! Hj eu me sinto como se eu estivesse em um labirinto escuro onde eu não consigo ver nenhuma saída… apenas me condenar a isso e me destruir!

  63. Michelle Almeida

    Em resposta a De Souza!

    Querida que sofrimento, deve ser horrível, eu tenho 2 meninas se fosse comigo…. Pelo amor de Deus corre desse homem, que falta de amor e respeito por vc, sua situação é muito mais complicada que a minha!

    Vá ser feliz, vc n precisa disso, e é muito sério isso com sua filha, pode acontecer uma desgraça futura, se desde já ele n demostra respeito por sua menina, imagina quando ela tiver corpo de mulher… Cuida da sua filha, pensa nela!! Sei q é difícil sair de casa, mas vc consegue!! Detalhe: ele n te ama, nem a vc e nem a sua filha!! Beijos

  64. Luiza

    Boa noite!
    Carlos; esse texto que você publicou, é como se eu estivesse contado a minha história para você. Conheci um rapaz que tinha todo esse perfil, com menos de um mês que estávamos nos conhecendo,ele ja queria morar comigo e queria um filho,mas eu estava fazendo faculdade, trabalhava, nao queria deixar isso tudo para trás, ele morava em outra cidade que era uns 40 minutos da minha, ele nao aceitava a distância e usava esse argumento para que eu fosse morar com ele, depois de muitas brigas,pressões psicológicas, agressões verbais, ainda fui morar com ele por medo das ameaças que ele usava, fiquei morando 3 meses e nao suportei mais . Esse tipo de homem, quer que a mulher viva somente para ele, eu tinha amigos, família, estudos e trabalho, ele estava fazendo eu perder tudo e me afastar de todos,namorei com ele entre idas e voltas por um ano e 3 meses, que parece ter sido uns 20 anos de sofrimento. Alem de tudo eles nos deixam com o nosso psicologico acabado, e muitas das vezes nos destrói financeiramente e psicologicamente. Pois agradeço a Deus por ter me dado forças para que eu conseguisse sair da casa dele, no momento que ele nao estava . apesar de todo a perda material, consegui sair com vida. No inicio que nos conhecemos ele me ligava a todo momento para saber onde eu estava, com quem, fazendo o que, porque. Nossa queria me controlar a todo momento, e nao sei como, ele ainda conseguiu por 1 ano e 3 meses. Estou me recuperando ainda de todo o sofrimento que passei. São tantas coisas para falar, que isso seria somente o começo. Carlos seu texto me ajudou bastante, pois tenho certeza agora que tomei a decisão certa para minha vida . obrigada!

  65. MARTA MEDEIROS

    Esse texto é perfeito, conheci um rapaz pela internet e em menos de um mês me pediu em casamento, falava do sonho de termos nossa casa e um filho. Como morávamos longe ele me convenceu a morar com ele, afinal já iriamos nos casar. Com dois meses de namoro fui contra minha familia e amigos e fui embora. Começou o inferno! Me ligava o dia inteiro para saber onde e com quem estava, quando chegava em casa ele surtava, falava que eu estava o traindo, que iria passar alguma doença para ele, sutilmente ele foi me proibindo de falar com amigas e familiares, fez com que eu saisse da faculdade e estava fazendo inferno no meu trabalho. Sem contar a tortura psicologica, me fazia sentar e ouvir os seus sermões durante horas, me acordava de madrugada porque sonhava que eu estava o traindo. Me falava que seu plano era eu sair do trabalho quando casássemos e iriamos morar bem longe da minha família. Eu aguentei durante quatro meses esse inferno, com o buffet e alianças pagas, um belo dia eu refleti que não mereço isso, com a ajuda de Deus e minha família eu consegui ir embora. Recebo ameaças por telefone em casa e no trabalho. Mas confio em Deus que vai me livrar desse psicopata. MULHERES CUIDADO COM HOMENS DE INTERNET!!!!!!!!!!!!!!!

  66. Michelle

    Bom, isso foi exatamente o que eu vivi em 2 anos. Engravidei aos 16 e o pai do meu bebê arrumou uma namorada. Quando minha filha tinha 1 ano e 9 meses eu conheci um rapaz maravilhoso! Parecia ter caído do céu! Em menos de 1 mês nós estávamos namorando oficialmente. Ele criava sozinho a filha de 1 ano e 6 meses e era empresário. E eu estava com 19 e trabalhava em uma loja. Bom, no inicio do namoro estava tudo tranquilo, com 3 meses ele começou a me manipular a não deixar ter mais contato com meus amigos, e eu por medo de perder alguém tão especial e comprometido, acabei cedendo. Com 1 ano de namoro ele me pediu em casamento, e eu fiquei super feliz e obviamente aceitei. Bom, depois que casei ele logo tratou de me pedir para sair do trabalho e eu o fiz. E logo depois nos mudamos e parei de fazer meu cursinho. Passei a ficar somente em casa por conta da minha filha de no caso 3 anos e por conta da filha dele, e quando queria visitar meus pais ele sempre achava ruim, ficava com raiva e distante de mim. Logo me deparei com uma vida e rotina estressante e infeliz. E como se não bastasse ele ainda reclamava do meu mau humor, do meu estresse dizendo que fazia tudo para me fazer feliz e nada me satisfazia (chantagem emocional). Eu me via, em casa, sem familia, sem amigos, sem trabalho, sem estudar, ou seja vivia para ele e da forma que ele queria. Logo após uma reclamação dele decidi me separar e tentar colocar minha vida em dia e correr atrás dos meus sonhos. Sofro muito pois ele era uma pessoa que me amava, e sempre estava comigo, mas me queria para ele e para viver da forma que ele queria… Acima de qualquer coisa temos que ter maturidade e bom senso para enxergar o que é melhor para si e o que realmente te faz feliz. É difícil! A gente sofre, mas tudo passa.

  67. patricia esteves rodrigues

    olá, conheci um rapaz em abril de 2014, nossa no começo era tudo tão lindo, parecia um homem perfeito, carinhoso, atencioso, me ligava a cada 10 minutos, ao contrário do meu casamento que meu ex me deixava muito livre… depois de dois meses fui viajar com ele, mas não curti a viagem, pois qdo eu viajava com meu ex era muito bom, passeava demais, o meu namorado já não era assim, só queria saber de ficar comigo o tempo todo, não queria sair com o casal que foi conosco, queria só eu e ele, principalmente cama … nunca quis nenhum tipo de amizade com ninguém da minha familia, nunca add no face por conta que todos eram amigo do meu ex ,,,, de repente ele começou a implicar, dizendo que não queria que eu falasse com meu ex, que não tivesse ele no face, eu expliquei que éramos amigos por conta do filho, inclusive meu ex tem namorada e nunca nos incomodou, mas ele vivia dizendo que meu ex era um bosta, em todas as brigas ele acabava voltando para uma ex, e mesmo assim me ligava 30 x ao dia e perguntava vc não quer voltar mesmo, algumas vezes eu caía diante das promessas.. mas logo ele começava a implicar com saia porque eu tinha que ir lanchar com meu filho e não chamar ele, porque eu queria ir lanchar com amigas e não chamar ele, dizia que eu não poderia ir tomar um açaí com amigas nunca, há alguns dias ele me ligou e perguntou o que eu ia fazer, eu disse vou ficar aqui em casa com meu filho, ele disse ok. Passou alguns minutos disse que estava no clube com um amigo, aí eu disse o João nao quer sair, eu vou com as minhas amigas, em 10 minutos ele chegou aqui e disse, porque vc ia com amigas almoçar, eu sempre te coloco em primeiro lugar, ai eu disse para de ser assim, etc. Ele disse, sobe na moto para conversar em outro lugar, de repente ele começou a acelerar a moto e disse agora vc esta na minha mão, vc vai ver só, eu acalmei disse para ele, eu te amo etc ,,, ai fomos almoçar, quando ele me deixou em casa eu liguei e disse, para mim chega não quero mais, ele disse, mas vc é muito falsa, foi almoçar, parecia estar tudo bem, ai vc liga e fala isso ,,, CLARO NÉ, EU IA FALAR ISSO A UM LUTADOR DE JIU JITSU, que eu sei como é ruim, não sou boba, tenho 40 anos,, ja fui casada 20 anos,,, mesmo assim ele me ligava 30 x ao dia, eu nunca tinha conhecido ninguém tão insistente, faz 3 dias que ele me ligou, mandou msg para eu ir ao encontro dele,,, sábado, quando entrei em um barzinho vi ele com a filha de um casal que era amigo nosso, uma moça 10 anos mais jovem … eu não sei porque, desde o dia que ele ficou sabendo que a namorada do meu ex tinha 32 anos ele começou a dizer que também tinha capacidade,,, e foi o que ele fez,,, não entendo porque ele fala tanto do meu ex, quando eu conheci ele fiquei sabendo que ele nunca namorou ninguém com menos da idade dele ,,, eu só sei que no começo eu adorava o que ele dizia ser zelar derrepente ,,, vi que era uma erro eu permitir isso , mesmo porque eu sei me cuidar e disse a ele, porque vc não vai cuidar de sua irmã que a coitada tem depressão e fica sozinha em casa, ainda por cima vai ter que mudar por conta de grana e vc poderia ajudar,,, pois se ela mudar vc irá ficar sozinho na cidade ,, ele disse por isso que agora eu quero casar pois cansei de viver sozinho,,,

  68. Pri

    Nossa, tudo que li me descreveu, infelizmente. .. estou vivendo uma situação assim. E estou grávida!
    Tenho 25 anos e tenho muito medo dele. Parei de estudar e trabalhar e tudo que faço é com ele junto.
    Ele controla tudo que faço e diz que a melhor relação é assim com tudo aberto. Me afastei de todos, ele já veio em cima de mim pra me agredir e mesmo eu grávida isso aconteceu.
    Não sei o que fazer..
    Estou muito infeliz, às vezes penso que ele vai mudar, porque eu oro e peço muito a Deus e sei que ele é o Deus do impossível. E sabe o melhor para mim.
    Ele mostra ser uma pessoa com problemas psicológicos, já me ameaçou várias vezes.
    São tantas coisas que venho passando e me vejo presa, sem saída.

    • Maria Leticia

      Eu sei bem como é não quero mais, porém como terminar ??? São uns doentes.

  69. Manuhela Fernandes

    Me vi nesse texto. Minha história é quase assim. Bom, tenho 16 anos meu passado não foi nada bom, cresci presenciando meu pai batendo em minha mãe,com o tempo eles se separaram. Por decepção conheci pessoas que jamais devia ter conhecido,fiz coisas com pessoas que me arrependo até hoje. Resumindo eu fui uma pessoa suja. Um dia conheci meu marido atual, no começo era mil maravilhas, era minha princesa pra lá, minha princesa pra cá. Em pouco tempo vim morar com ele. Ele deixou um filho de 06 anos e uma mulher, eram casados a 9 anos ,mas não estavam mais juntos só moravam juntos, ele dizia que morava lá pelo filho dele,e Desde então minha vida mudou completamente. Choro todas as noites, não sei oque fazer. Ele é Médium e tem um protetor ele escuta e fala com eshum esse eshum é um homem que ja morreu ele atormenta meu marido, fala tudo que fiz de errado um dia e diz que vou fazer de novo,tudo que vai acontecer no dia a dia ele conta para meu marido, tipo:no trabalho dele vai ter cliente hoje,no merCadinho vai ter um homem que vai mexer comigo e ainda diz que vou traí ele com outro homem, diz que vou botar outro homem dentro de casa, esse eshum ja veio falar comigo, tenho muito medo dessas coisas espirituais. Não sei se é isso, mas acredito que meu marido não deixe eu estudar, nem trabalhar nem sair de casa , pq o eshum bota isso na cabeça dele, não posso nem pôr os pés na porta de casa. Ele quer que eu permaneça dentro de casa, não sei nem como é o sol mais, se eu escuto uma música ou canto meu marido me diz que o eshum disse que meus ex cantavam pra mim, ou então ele diz p meu marido que estou pensando em algum ex, fala sério, to ficando louca. Um dia desses fomos no mercadinho do outro lado da rua e meu marido me tratou mal, pedi pra ele falar direito comigo e me mandou tomar no cú na frente de todo mundo, eu simplesmente virei as costas e fui pra casa, pois pensei ja sou humilhada dentro de casa, agora tenho que ser humilhada na rua? Nesse mesmo dia ele comprou as coisas no mercado e foi pra casa e foi fazer a janta, e fui tomar banho, ele foi no banheiro com uma faca e disse que tinha um menino no portão de casa e na hora que eu atravessei a rua o menino me falou algo e entrou junto comigo, isso não tem lógica, sei oque fiz um dia e não quero fazer novamente, errar uma vez tudo bem, agora todo dia é burrice. Ele quer muito que eu engravide, só pra mim ter motivos para permanecer em casa,não tenho coragem de dizer pra ninguém oque estou passando,sempre quando ele chega do trabalho é uma humilhação, todos os dias ele diz que veio homem aqui comigo, me xinga, me chama de puta, vagabunda diz que eu não presto pra nada,e pergunta pra mim onde ele tava com a cabeça quando ele ficou comigo, diz que sou um erro na vida dele, e depois se arrepende, pedi desculpas, diz que estava estressado. Ele não pode ficar nervoso pois o eshum vem nele todas as vezes que brigamos e ele fica nervoso. Me afastei dos meus pais e meus irmãos, por ele e agora me vejo sozinha, não posso conversar com ninguém n me sinto presa em uma gaiola sem luz, ja não consigo respirar, oque sustenta isso é somente oque sinto por ele . Não sei oque fazer estamos completando 9 meses hoje. Me ajudem por favor. Não posso simplismente virar as costas pra ele, tenho que ajudá-lo.

  70. Manuhela Fernandes

    Não sei oque falta pra ele,tudo bem que o estresse do dia a dia seja pesado,mas quanso ele chega em casa eu sou muito carinhosa, trato ele bem, aceito tudo, escuto de tudo e além de tudo acabo perdoando, talvez seja ai o meu erro, esrou aceitando de mais, tudo que ele diz eu abaixo a cabeça, ele sempre tem que ter razão se não tem briga a noite toda, e pra piorar ele não dorme, fica rodando a casa com uma faca e me olhando estranho, fala que vai se matar, pois ele mesmo ver que tem que dá um jeito nisso, ele assume que tem problemas mentalmente. Mais não procura ajuda de forma alguma,tentamos conversamos, melhora 2dias e no 3° volta de novo . To cansada disso. Me sinto acorrentada pelos pés nessa casa escura. Ja não vejo sentido de estar aqui hoje. Me ajudem pelo amor de Deus

  71. Ana Rodrigues

    Vc só tem 16 anos e passando por tudo isso? corre enquanto há tempo, nem pense em engravidar, vc nao tem que ajuda-lo, vc só tem que fugir dele pq isso pode terminar em tragédia e logo, vc é muito novinha, tem muito o que viver ainda. Homens assim não mudam, só vão pra próxima vitima, sorte pra vc.

  72. BRUNA.

    Bom dia, essa historia parece a minha mesmo, mais a minha ainda tem um agravante ele me bate ás vezes.
    Arrumei um serviço mais ele não queria, comecei a trabalhar ai com a graça de deus comprei a nossa casa corri atras sozinha e ele me maltratando todos os dias.
    Faço academia e ele não suporta acha que eu to traindo ele o tempo todo, se eu arrumo o cabelo ele acha que to traindo ele se, se eu me arrumo pra sair mesmo com o meu filho ele acha que eu to traindo ele.
    Tá tao dificil a nossa convivencia não suporto mais, eu tenho 26 anos. sei que consigo correr atras dos meu sonho mais ele não deixa.
    falei pra ele ir embora mais ele dice que de casa ele não sai.
    To perdida, não sei o que fazer, ele nunca me deu nada as minhas coisas quem compra sou eu.
    E ele ainda quer mandar em min.

  73. adelina

    bom eu ja nem sei como lidar com o pai da minha filha , conheci este homem ha 6 anos atrás cai logo de amores por ele, educado, falava muito bem, atencioso, carinhoso, nada me fazia prever que por detrás desta pessoa com tantas qualidades se escondia na pele de raposa. Em 2 meses fomos logo viver juntos, passados 4 já estava grávida, tudo muito lindo só não chegamos a casar, mas havia os constantes pedidos de casamento, e fomos deixando andar até que nunca se realizou, o inferno começa, ciume, desconfiancas, maus tratos verbais, chantagem, enfim um pouco de tudo, saí da beira dele várias vezes e voltava, não queria aceitar a realidade, este homem não presta, lá continuava a dar mais uma oportunidade, ate que de há 1 ano para cá foi a gota de água e terminei pois até de rapto internacional me acusou falsamente, tem disturbios mentais, pois consegue manipular e fazer acreditar que é uma pessoa do bem ainda hoje nao tenho sossego, pois diz que há de tirar-me a filha nem que seja para ir para uma familia de acolhimento, para não falar os insultos, os nomes, tudo que se possa imaginar de uma pessoa sem escrúpulos, é triste ter que conviver com esta pessoa que destruiu a minha visão das coisas, pois nem penso em refazer a minha vida, são marcas profundas, e tem mais, não paga sequer pensão alimentar e ainda alega que devo pagar as viagens para a filha estar com ele, uma vez que está no fora do país, agora digam-me como lidar com isto?

  74. Patricia

    Boa noite. Como tantas minha história se repete. Conheci aos 28 anos, em 2 meses ele entrou na minha casa e não saiu mas, no começo achei extranho não conseguia entender pq arrumava tantas desculpas pra não ir embora, mas se mostrando tão solicito e amoroso fui ficando. Com passar do tempo ele foi vendo os desgate que tinha minha família e foi colocando na minha cabeça monte de coisas, exatamente como texto cita. Sai de casa e fui morar com ele na casa que era dos menus pais em outro bairro. Depois um ano engravidei, depois tudo começou neuroses, perseguição, ligar de 5 em 5 min. Foi se arrastando 7 anos 10 meses. Quando eu entrei multinacional, aí homem pirou achou eu tinha entrar na faculdade pra subir na empresa e virar gestora. A pressão era tanta fiz 2 vestibular e não passei. Dia 23/01/16 ele colocou fio no meu pescoço e fio no pescoço da própria filha de 5 anos pra impor a vontade dele. O sonho dele é subir na vida, pelo visto a custa das pessoas as quais ele se relaciona. Passei ainda 10 dias sendo torturada psivogicamente e ameaças de morte, minha família e ele com suicídio. Não aguento fui delegacia dia 03/02/16 e fugi de casa eu e toda minha família. Quando foi dia 05/02 vi no fece dele que ele estava em relacionamento sério com uma doutorada de Araraquara, SP. Infelizmente não acreditava mas ele só pensa no seu próprio bem, não ama ninguém. Fala a vida é uma selva e ele tem sobreviver. Ainda teve a capacidade de me falar que eu pensasse nisso como um trabalho que isso que ela significa pra ele. E qdo ele conseguir os objetivos dele vai deixa lá. Que não sente menor pena.pq foi ela que deixou ele entrar na vida dela. A mulher está encantada! Ela é a próxima vítima…. Fico me vendo anos atrás, como fui ingênua. Hoje ele insiste em voltar e quer que eu aceite esse novo trabalho. Aqui fica um alerta para mulheres carentes desconfiar de homens muito generosos, por trás se esconde um mostro.

  75. Patricia

    Impressionante como todos tem mesmo perfil, sempre zeloso e amáveis. Que não passa de uma máscara.

  76. Maria Leticia

    Preciso de ajuda.Tenho 27 anos e pouco mais de um ano comecei a me relacionar com um homem 22 anos mais velho.No início do relacionamento tudo era lindo, porém com poucas semanas já previa o inferno que a minha vida iria se transformar. Fazia 5 anos que eu estava residindo em outra cidade. Em agosto de 2014 recebi uma proposta de trabalho em minha cidade e retornei. Dessa forma, conheci meu atual namorado 12 dias após o meu retorno. Como já disse no começo foi até divertido. Passando dois meses o inferno começou, uma amiga me alertou que já havia sido casado 3 vezes e tinha pouco tempo do último término. Perguntei a ele e disse que não. Eu burra acreditei. A ex-mulher dele começou a me perseguir no trabalho e foram assim as milhares de humilhações que sofri. Porém, como todos começaram a me olhar como culpada decidi continuar com ele por vergonha de terminar. Não sei o que se passou na minha cabeça, pois nunca tinha passado por aquela situação. Nem gosto de lembrar. Ele viu que me preocupava com minha imagem pelo fato do meu local de trabalho. Dessa forma, começou a me ofender. A me tratar mal. Gritava comigo e inúmeras outras coisas. Me proibiu de tudo. Tem quase dois anos que eu não sei o que é sorrir. Para completar me implorou um dinheiro emprestado e acredito que não vai me pagar. Não gosto dele, pelo contrário. Porém, tenho muito medo do término desse namoro. Não sei do que ele é capaz. Estou pensando em mudar novamente de cidade. O pior de tudo é que ninguém desconfia disso. Estou sofrendo muito. Não sei como caí nessa. Preciso de ajuda.

  77. APARECIDA

    Olá Carlos

    Gostaria de ter lido um texto assim há 35 anos atrás. Eu não teria cometido a pior decisão da minha vida, ter casado com um homem deste. tudo que você descreveu é exatamente assim. Muitas vezes tentei me separar mas não consegui. Ameaça de todas as formas ele faz. E como você disse sobre adoecer, foi isso que aconteceu: hoje tenho depressão, diabetes emocional, queda de cabelo acentuada tenho que usar perucas e lenços. Enfim não tenho mais auto-estima, amor próprio, nada. Mas não consigo separar, tenho medo….

  78. Janete Fonseca

    Olá estou em dúvidas pois me vi em alguns desse relatos, estou grávida, meu marido já saiu de casa. Agora quer voltar diz que será tudo diferente, pois ele é ciumento, obsessivo, controlador. Fico pensando em voltar só por causa do bebê

    • Janete
      É muito raro que as pessoas mudem de fato, alem de períodos curtos.É pouco prudente acreditar neste tipo de promessas.Se você conseguiu separar, o mais difícil já foi feito. Não é lucro para uma criança ter um casal infeliz como pais. Um homem deste tipo também costuma ser um mau pai, alem de ser um mau exemplo como modelo de conduta masculina. A coragem em enfrentar períodos de solidão é fundamental para nos fortalecermos e não fazermos escolhas destrutivas a longo prazo.

  79. Su

    Eu namorei 2 anos com um rapaz lindo evangelico que conquistou a mim e toda minha familia, fazia todas as minhas vontades, nos casamos no ano de 2000, engravidei e so entao a ficha começou a cair, ele ja nao era o mesmo ou nunca fora de verdade, nao tinha sonhos e me proibia de sonhar, quando eu falava em mudar de vida, estudar ter uma qualificaçao ele falava que eu era ambiciosa demais, e que ia virar uma puta, ele queria comer so ovos todos os dias e achava que tava otimo, na casa dos meus pais eu tinha tudo do bom e do melhor, casa, comida boa e meus pais incentivava os estudos, quando casei ja tinha o ensino medio mas dai nao pude mais estudar, entao fiquei 4 anos nessa vida de fome e dificuldade e tinha vergonha da minha familia, moravamos longe e toda vez que minha mae ligava ele ficava perto pra ver o que eu falava, um dia ele me puxou pelos cabelos e tomou o telefone da minha mao porq eu comecei chorar, meu pai veio me visitar eu sai na rua com ele e contei minha vida, meu filho tinha quase dois anos, meu pai falou com ele e ele negou, disse que comprava comida sim, so ovos rsrsr eu odeio, no ano de 2005 eu peguei minhas coisas um dinheiro que ajuntei trabalhando na colheita do cafe e sai de la vim embora, mas ele veio atras de mim, prometeu q ia mudar, eu burra acreditei, continuou mesma coisa, mas eu começei a trabalhar e fazer um curso tecnico, era um martirio, um inferno so que eu enfrentei ele, coloquei meu filho na creche e fui trabalhar e estudar, dormi varias noites na rodoviaria ate conseguir um canto, terminei o curso,passei no concurso da prefeitura, e ele me atentando, ele queria todo meu dinheiro, me ameaçava, me xingava, humilhava, falava que eu era nega feia e que ninguem ia me querer, continuei estudando e enfrentando ele fiz pedagogia e passei no concurso estadual, mudei pra outra casa ele foi atras, meu filho crescendo e ele queria outro mas eu evitava contato com ele, ele forçava entao eu peguei e coloquei o DIU escondido porque remedio ele nao deixava, fiz outra faculdade de biologia, dai ele disse que ia ficar tranquilo porque eu manteria a casa, mandei ele ir embora mil vezes, em 2014 eu me mudei de novo e mais uma vez ele veio atras, e um nojento, a vida inteira so os desejos sexuais dele era suprido e ele ainda falava q eu nao prestava mas ele nunca se esforçou para me agradar, e eu casei virgem e nao conhecia outras realidades, tem muito tempo q a gente nao dorme junto eu fecho a porta do quarto e nao aceito, so que hoje me tornei forte, conheço os meus direitos hoje tenho meu emprego, meu filho ta com 13 anos tenho um curso tecnico e duas graduaçoes, ja fui para a europa estudar, to fazendo pos graduação e ele ta rodado do mesmo jeito me enchendo o saco, pago minha casa e minhas contas, e nesse momento enquanto escrevo ele ta arrumando as coisas dele pra ir embora e meu coraçao esta saltitante porque sei que agora aos 38 anos eu vou ter uma nova oportunidade de ser feliz.

  80. Suzana

    Olá, exatamente esse relato do texto eu pude viver mesmo com os meus 40 anos, me divorciei de um casamento fracassado de 13 anos onde cuidei do meu ex-marido que teve cancer e por isso ficou esteril, portanto nao tivemos filhos. Porem em em 2015 reencontrei um cara que sempre foi apaixonado por mim na adolescencia e descobri que eu o amava. Foi um sonho misturado com pesadelo, eu divorciei, ele divorciou e iniciamos em menos de dois meses de separados dos outros ex-cônjuges uma vida em comum.
    Ficamos juntos um ano e meio mais ou menos, no inicio ele era atencioso, romântico, e foi nessa q eu achei que deveria investir nessa relação, me afastei de amigos, do meu cachorro q está com meu ex-marido, deixei a vida social e familiares de lado, so pq ele de repente resolveu nao frequentar mais a casa dos meus familiares. Todos notaram a diferença, mas a gente fica cega de amor ou sei la o que. Todos os fins de semanas nós brigávamos e ele falava em separar, até q depois de algumas acusações de adulterio q ele fantasiava, eu resolvi sair de casa, tem duas semanas que graças à Deus saí de casa. Ele me procura por watsap quase todos os dias. Eu sei que ele sofre e eu tb pq existe amor, mas acho q era uma relação doentia e ainda bem q nao tivemos filhos. Ele clonou meu email pessoal, meu watsap e meu cel duas vezes, além de mandar pessoas me seguir e seguir meu ex marido.
    Foi bem dificil, esta sendo, mas agora eu durmo quase sempre sem chorar, pq nesse um ano e meio eu chorei todos os dias praticamente. A nossa química era algo incrível, mas só isso nao basta. A ex-mulher usava a filha p acusá-lo e foi um tormento. Mulheres libertem-se de homens ciumentos e possessivos, eles nao medem palavras para ferir a nossa alma e isso dói muito. Por diversas vezes depois de uma discussão eu chorava muito e ele olhava e perguntava o que havia acontecido..aff. Mulheres isso é sério, até hoje preciso pisar em ovos com ele. Não quero vê-lo, não gravo aúdio, só converso por meio de msg no watsap e ele inclusive agora meia noite e meia puxou uma discussão. Tudo p ele é acusação. Não tenham medo, quando a pressão psicológica foi me prejudicando no trabalho e todas as pessoas do meu meio percebiam minha tristeza eu resolvi tomar essa decisão. Agora ele diz que eu não o amo e que o abandonei…Mas Deus sabe o que eu passei e todo medo que senti. Tivemos momentos bons, viajamos para o Chile, Rio de Janeiro…mas acho que ele tem problemas sérios e deve se tratar, porém ele nao acredita em terapia com psicólogo, e nao aceitou se tratar. Muito cuidado mulheres esse tipo de homem nos diminui para acabar com a nossa auto estima. Deus abençoe vcs. Bjs.

  81. Kenia

    Ola. Vou contar a minha historia,pois preciso de uma opiniao de fora ja que nao tenho coragem de desabafar com minha familia. Qdo era criança eu e minha irma fomos abusadas varias vezes por nosso pai,ate que minha mae descobriu e ele fugiu,crescemos revoltadas. Enfim depois tive varios namoradinhos e nesses desvarios me envolvi com um homem casado que me difamou pela cidade inteira. Logo mais me casei td era perfeito,mas depois começaram gritos e ofensas assim que tive meu primeiro filho,depois veio o segundo,uma menina e tive q largar o emprego pois ele nao permitiu que continuase trabalhando,fiquei 2 anos em casa em que ele nao me deu nada,ele descobriu do meu envolvimento com o homem casado quando solteira,e para ele,passei a ser prostituta me agrediu fisica e emocionalmente,jogava coisas em mim. Resolvi trabalhar novamente,fiz todo tipo de bico ate aparecer um fixo. Hoje tenho 2 empregos apos muito sacrificio,ele continua sendo rude,agresivo e controlador comigo. Me humilha muito e ainda diz que me salvou pois eu era mulher da rua. Tenho com ele 2 filhos quero voltar a estuda estou com 28 anos e ele 42. Ele diz que eu quero e me soltar, que mulher do meu tipo so quer e isso. Depois que ele me agrid sempre fala que a culpa e minha e por isso fez o que fez. Ja tentei sair uma vez pediu perdao e aceitei,mas vejo que ele nunca vai mudar. Tenho medo de seguir sozinha com meus filhos pois ele fala que eu vou acabar fazendo progama. Por favor me ajudem e d as suas opinioes alem de tudo ele ja me traiu e nao e bom para o menino mais velho,nao gosta dele e ainda nos emdividou. Socorro!

  82. Lauriceia

    Encontrei esse artigo e achei muito interessante, tenho estudado sobre esse tipo de comportamento e, pelo relato, tem características de um transtorno de personalidade paranóide.

Deixe um comentário