Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Eu e os Outros

Publicado por Carlos Bittencourt Almeida em Psicologia
data: 01/04/2011

 

O que somos irradia e se revela no que pensamos, no que sentimos e em nossos atos. Ao agir concretizamos, criamos extensões nossas, espelhos nossos que se espalham pelo mundo. Se faço uma comida, construo um muro, organizo uma estante, expresso parte do que eu sou no mundo exterior. Existe um outro modo, mais sutil, de ser criador que é a palavra, a fala. Quando me comunico crio algo que de uma forma ou de outra se imprime naquele que me ouve, se eterniza nele pela memória, pelo efeito intelectual ou emocional. Da mesma forma que meus atos são corporificações do meu eu, espalhadas pelo mundo, pela fala também me torno ser encarnado dentro de outros seres humanos. Quando falo sinto prazer, dor, tédio, raiva, medo, alegria. Esta é a primeira face do que eu sou. Por outro lado quem me ouve se alegra, se magoa, cresce ou sofre, é ajudado, entretido ou prejudicado como resultado do que eu digo. Esta é a outra face do que eu sou.

Sou aquele que age, que fala, que se expressa. E sou também o efeito de meus atos e palavras que se eterniza dentro de cada ser humano com o qual me relaciono. É importante nos lembrarmos que dura para sempre aquilo que cada ser humano semeia dentro de nós através de seus atos e palavras. O que ouvimos de nossos pais, irmãos, professores, amigos, namorados, patrões, filhos, principalmente em momentos de intensa emoção, carregamos desde então pela vida afora. São forças vivas dentro de nós que nos ajudam, acalmam, esclarecem, consolam ou então nos envenenam, enfurecem, magoam, enfraquecem.

Dentro de cada ser humano com o qual me relacionei encontro a mim mesmo. No efeito de meus atos e palavras nele, ali eu estou. Neste efeito tenho meu espelho, aquilo que revela meu eu, o que também sou. É parte de meu eu a dor que provoquei em alguém, tanto quanto o prazer que eu senti em ferí-lo. É parte de meu eu a alegria que semeei dentro de alguém, tanto quanto o ato ou palavra que foi a origem desta alegria.

Nos entrelaçamos o tempo todo com as pessoas com as quais nos relacionamos. O meu caminho futuro na vida está ligado a cada ser humano que recebeu meu eu dentro de si, no qual semeei alegria ou sofrimento. Vivo nele e ele vive em mim. Amigos ou inimigos, unidos estamos. Mesmo que durante décadas não mais nos vejamos eu vivo nele e ele em mim. Sou responsável pelo que eu ali semeei.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Psicologia

Carlos Bittencourt Almeida - Psicólogo Clínico e escritor, residente em Belo Horizonte - MG Consultas online? envie suas perguntas.
Deixe um comentário