Tamanho da Letra: [A-] [A+]

O samba na mídia

Publicado por Carlos Scheid em Crônicas Culturais
data: 03/05/2017

o samba na mídia

Foto: coxinha nerd

O samba brasileiro entrou em cena com uma novidade tecnológica: o telefone. Gravado por Donga em 1916, o primeiro exemplar registrado desse gênero musical, intitulado “Pelo telefone“, com boa dose de ironia anunciava:

“O Chefe da polícia
Pelo telefone manda me avisar
Que na Carioca tem uma roleta para se jogar

Ai, ai, ai
Deixe as mágoas pra trás, ó rapaz
Ai, ai, ai
Fica triste se és capaz e verás…”

Ainda na primeira metade do Séc. XX, foi a vez de Noel Rosa brincar com a invasão de expressões norte-americanas que o cinema falado levava além das telas. Assim o sambista cantava em “Não tem tradução”:

“O cinema falado
é o grande culpado
da transformação
dessa gente que pensa
que um barracão
prende mais que o xadrez
Lá no morro, seu eu fizer uma falseta
A Risoleta desiste logo do francês e do inglês

A gíria que o nosso morro criou
bem cedo a cidade aceitou e usou
mais tarde o malandro deixou de sambar,
dando pinote
na gafieira dançando o fox-trote

Essa gente hoje em dia
que tem a mania
da exibição
não entende que o samba
não tem tradução
no idioma francês
Tudo aquilo que o malandro pronuncia
com voz macia
é brasileiro, já passou de português

Amor lá no morro é amor pra chuchu
A gíria do samba não tem I love you
e esse negócio de alô, alô boy e alô Johnny
Só pode ser conversa de telefone…”

Mais recente, foi a vez de Wander Pires sambar acompanhando a moda do telefone portátil. Eis a letra de “Celular”:

“Se você sentir saudade,
liga pro meu celular
liga pro meu celular
não deixa a saudade imperar…”

É curioso como a música popular oferece um amplo panorama das transformações experimentadas pela sociedade brasileira desde as raízes da nação. Agora, em tempos e Ipad e Iphone, o samba brasileiro continua à espera dos compositores que incorporem ao seu universo as novas mídias que se multiplicam como minhocas.
Afinal de contas, ouvindo bem, Facebook rima com batuque…

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Crônicas Culturais

Carlos Scheid -
Comentário
  1. Irene

    Senhor Carlos, a hora é do zapzap
    https://www.youtube.com/watch?v=W89jc33jqgQ

Deixe um comentário