Arquivo do Autor

Muro

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 21/03/2017

Partida de Volei sobre o Muro em Nasco, fronteira México-EUA mas de um lado e outro do muro homens e mulheres de boa vontade acendem a fogueira da humanidade )para estes não há muros intransponíveis( Compartilhar este Artigo

Mulher

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 08/03/2017

Mulher primeira. Primeva. Tua é a noite. Cintilas no espaço, num lugar entre as constelações. Sob o manto noturno mais que os astros fulguras. Força imponderável, lúdica, miragem que nos empolga. Serias como a lua com seus imensos desertos e em tua face obscura força e fraqueza debatem-se. Marcas o duplo destino da entrega absoluta e da voragem com que nos arrastas ao abismo. Compartilhar este Artigo

Grito de carnaval

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 24/02/2017

no Carnaval os foliões saltam e gritam exteriorizam-se tocam-se os corpos e se contorcem engalanados ou quase nus prazer e gozo suor e beijos a carne explode num só desejo esta a festa onde não se deve unir o triste ao desprazer onde as ideias pobres plebeias não valem mais que um riso aberto de colombina no turbilhão desta folia o que se quer é se acabar o que se deve é esquecer e o que não falta é muito jogo é muit...

Nasce um poeta

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 21/02/2017

E então ela surgiu ante um grupo álacre de estudantes em algazarra que não sabiam o que fazer do tempo mas por certo discerniram na paisagem a forma despojada que transparecia ante a intransferência absoluta da tarde que se traia no solitário brilho de Vésper e nos céu inclinado atrás dos prédios retinto em amarelo-laranja de um celofane. Talvez dezessete, dezoito anos? Havia nela algo que semeava poesia e em pelo men...

Visita agendada

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 16/02/2017

Recebeu notificação do banco para comparecer à agência. lá foi ele. Depois de esperar algum tempo levaram-no a uma saleta clara ar refrigerado, aquarelas na parede. Foi recebido pela gerente: morena de olhos heterocrômicos sorriso na boca de dentes perfeitos. Sentou-se à sua frente e ela o envolveu de imediato com olhares onde cintilavam ouro e prata. Falou sobre o tempo, a vida perguntou-lhe como estava sobre outras qu...

Ao cair da noite

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 24/01/2017

Somente não me diga seu nome Ao meu lado, sem litígios você se deite, se desvista Com suas artes e prodígios sustenha-me insone E me olhe com o seu olhar que transgride Onde em meio às íris vejo a vagar lumes em miríades Entrementes os lábios vermelhos prenunciam deleites Que não sei se me aliviam se me profanam Sabendo minh’alma que se arrisca e se entrega e se desvenda e se espanta Compartilhar este Artigo

A moça da rua de baixo

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 02/01/2017

Década de 60, um menino crédulo – atemorizado pelo inferno da culpa - acompanha a procissão de Sexta-feira Santa em sua interiorana cidade. Longa procissão, um rio de chamas, o toque fúnebre da Banda da Polícia, a expressão reflexiva dos fieis, maioria proveniente da zona rural, rostos marcados por intempéries, ossos salientes nas faces queimadas. Desvalidos a orar pelo Senhor da cruz descendido. A criança segue em ...

Desejo vão

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 14/12/2016

Não nego, amo seu corpo e a sua liberdade vê-la em escorço expostos flancos vê-la ao cair da tarde minha Isadora a bailar na praia pés levitando manter-me em vigília poder abraçá-la desfazer seus planos despir sua saia destituir seus cânones Invadir suas horas. Amo seu des-pudor como não se opõe à engrenagem de perversões invenções, inversões que desfazem aldravas perante o que diz ou o que faz ou o que for pur...