Arquivo do Autor

Imprevisto

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 20/04/2017

Ilustração: Marina Jardim O amor acordou hoje inspiradofoi até a janelaviu o anúncio ainda a piscar da Coca-Colarespirou fundo.  Tomou banho demoradoserviu-se um café frugaldesceu o elevadorchegou ao asfalto.  Parou na banca, viu as manchetesfulano matou cicrana – ciúme bobo(que o não culpassem por isto)tal político usurpou do cofre da repúblicauma bomba foi lançada no Oriente.  Seguiu em frente, nã...

Um pouco mais de vida

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 05/04/2017

Ilustração Marina Jardim Em seu livro sobre mulheres na guerra a russa Svetlana Aleksiévitch transcreve o relato daquela que trabalhava na enfermaria onde – no turno da noite – foi ao leito do capitão ferido que de antemão sabia à morte. À beira do leito perguntou: “E então? Em que posso ajudar?” Ele de repente lhe sorriu – um sorriso luminoso em um rosto esgotado – e lhe pediu: “Abra o seu avental...

Muro

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 21/03/2017

Partida de Volei sobre o Muro em Nasco, fronteira México-EUA mas de um lado e outro do muro homens e mulheres de boa vontade acendem a fogueira da humanidade )para estes não há muros intransponíveis( Compartilhar este Artigo

Mulher

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 08/03/2017

Mulher primeira. Primeva. Tua é a noite. Cintilas no espaço, num lugar entre as constelações. Sob o manto noturno mais que os astros fulguras. Força imponderável, lúdica, miragem que nos empolga. Serias como a lua com seus imensos desertos e em tua face obscura força e fraqueza debatem-se. Marcas o duplo destino da entrega absoluta e da voragem com que nos arrastas ao abismo. Compartilhar este Artigo

Grito de carnaval

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 24/02/2017

no Carnaval os foliões saltam e gritam exteriorizam-se tocam-se os corpos e se contorcem engalanados ou quase nus prazer e gozo suor e beijos a carne explode num só desejo esta a festa onde não se deve unir o triste ao desprazer onde as ideias pobres plebeias não valem mais que um riso aberto de colombina no turbilhão desta folia o que se quer é se acabar o que se deve é esquecer e o que não falta é muito jogo é muit...

Nasce um poeta

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 21/02/2017

E então ela surgiu ante um grupo álacre de estudantes em algazarra que não sabiam o que fazer do tempo mas por certo discerniram na paisagem a forma despojada que transparecia ante a intransferência absoluta da tarde que se traia no solitário brilho de Vésper e nos céu inclinado atrás dos prédios retinto em amarelo-laranja de um celofane. Talvez dezessete, dezoito anos? Havia nela algo que semeava poesia e em pelo men...

Visita agendada

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 16/02/2017

Recebeu notificação do banco para comparecer à agência. lá foi ele. Depois de esperar algum tempo levaram-no a uma saleta clara ar refrigerado, aquarelas na parede. Foi recebido pela gerente: morena de olhos heterocrômicos sorriso na boca de dentes perfeitos. Sentou-se à sua frente e ela o envolveu de imediato com olhares onde cintilavam ouro e prata. Falou sobre o tempo, a vida perguntou-lhe como estava sobre outras qu...

Ao cair da noite

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 24/01/2017

Somente não me diga seu nome Ao meu lado, sem litígios você se deite, se desvista Com suas artes e prodígios sustenha-me insone E me olhe com o seu olhar que transgride Onde em meio às íris vejo a vagar lumes em miríades Entrementes os lábios vermelhos prenunciam deleites Que não sei se me aliviam se me profanam Sabendo minh’alma que se arrisca e se entrega e se desvenda e se espanta Compartilhar este Artigo