Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Universo paralelo

Publicado por Antonio Ângelo em Poesia
data: 15/04/2014

Tão magnífico cometa que,
longe de qualquer visão,
desloca-se nos confins do universo
onde jamais um vivente estará.

Um rastilho enorme, de cores fantásticas,
num reluzir de brilhos incríveis,
cada ponto refazendo uma estrela
e o conjunto perfazendo infinita curva.

Cores que nunca existiram para os nossos olhos:
azuis impossíveis, rosas e vermelhos indescritíveis,
amarelos que Van Gogh nunca pintou,
um arco-íris de cores não codificadas.

Universo nos confins do universo.
Por mais velozes fossem nossos projéteis,
mais longe fosse o alcance dos telescópios
e mais intrépida a imaginação,
lá restará – para sempre – a supremacia da beleza,
no absoluto vácuo de quem a testemunhe.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Poesia

Antonio Ângelo -
3 Comentários
  1. Marcos Apolinário Santana

    O andarilho de versos urbanos se traduz num poeta na mais intrépida imaginação, lavrando versos, semeando cometas e vai por aí, nesse universo paralelo.

    Marcos Apolinário Santana

  2. ALUISIO OLIVEIRA

    SIM. SENSIVEL O POETA, QUE TRANSPOE GALAXIAS P/ ENXERGAR E DESCREVER COM A MESMA HARMONIA DO UNIVERSO OS SEGREDOS E BELEZAS NELE CONTIDOS.

    • Dulciméia de Oliveira

      Bárbaro! Bonito! A natureza se manifestando em Poesia!

Deixe um comentário