Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Ninfo

Publicado por Antonio Ângelo em Poesia
data: 14/11/2017

ninfo

Por muitas vezes o traiu
mas sempre ao voltar
algo tinha a lhe mostrar

Como o outro a pegava
pelos flancos
como lhe envergava a coluna

Até uma vez num sussurro
pediu: faça assim
assim é como ele fazia

e deixava-me tonta
como se um absinto
tivesse-me feito ingerir

Sempre de novo partia
como quem saísse à caça
de gozos renovados

Para mostrar no retorno
do quanto se saciara
e do quão lhe fora ele parco

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Poesia

Antonio Ângelo -
2 Comentários
  1. Reginaldo Souza

    Como as pessoas sexualizadas convivem com as assexuais? De repente é uma parceria que pode dar certo.

  2. wesleypioest

    O poeta, vivíssimo, de tudo sabe um pouco. E nos guia dentro da moldura: este é o quadro, assim o fez o criador. Com maestria, ensina, no escuro, que há luz – e a luz a tudo ilumina: sonhos e pesadelos. O poeta, atualíssimo, mostra a que veio. A vida é o que cabe em nossa imaginação. Poesia faz toda a diferença. E A.Angelo sabe moldá-la como ninguém.

Deixe um comentário