Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Horizontes roubados

Publicado por Antonio Ângelo em Poesia
data: 05/12/2013

Atente aos montes, distancias,
reflita e se surpreenda,
isto é Minas Gerais.

Lavadeiras cantam nos rios,
sons de congado nas ruas,
novenas, terços, procissões.

Desconfie – no entanto -
da perenidade do eco
que retorna nossos gritos.

Se no vale ouvirmos
estrondo de explosões,
é que horizontes desabam:

não são eternas as montanhas
antes – como nos presépios -
frágeis são e desaparecem.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Poesia

Antonio Ângelo -
2 Comentários
  1. Wesley

    É verdade, poeta, os horizontes ora se estreitam, ora desaparecem. As montanhas e os horizontes são frágeis, fora e dentro de nós. Felizmente, há a poesia. Meu aplauso pela carpintaria.

  2. Gislaine

    As montanhas se desfazem dentro de nos mesmos quando implodimos nossos sentimentos.

Deixe um comentário