Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Gênesis

Publicado por Antonio Ângelo em Poesia
data: 11/11/2011

Naquela tarde modorrenta de sábado

o Filho abandonou rituais, incensos,

a infindável cantilena dos santos,

a solicitude permanente da Mãe

e resolveu ir dar uma volta na terra.

 

Foi à periferia da grande metrópole

onde se tornou jovem entre jovens,

entrou em bares escuros, botequins,

participou de rodas, bebeu estranhos licores,

ouviu músicas de absurdas letras

e – após uso de substancias alucinógenas –

sucumbiu à insensatez que ali prosperava

e se fez triste.

 

Foi depois a igrejas – diversas, de várias tendências –

e em todas viu o quanto era seu nome louvado;

ao mesmo tempo, deparou-se com tanta hipocrisia,

tantas falsas promessas e descabidos milagres,

impensadas e levianas interpretações do evangelho,

que era repulsivo ali permanecer.

 

(A não ser na igreja de seu pai José, àquela hora vazia,

onde os últimos oblíquos raios de sol, através dos vitrais,

tingiam em cores o solo e onde aos querubins permitiu

pequenas artes que o fizeram sorrir).

 

Já mais tarde, noite adentro,

foi a boates, inferninhos, pontos de encontros

onde jovens exibiam seus corpos cheios de adereços

e tinham a lhes recobrir a derme – só Ele viu –

finas camadas transparentes de descrença

que iria em futuro próximo lhes enevoar os olhos

e levar ao inexorável definhamento dos sonhos.

 

Voltando ao Pai, nos alvores da madrugada –

que no céu em verdade era um tempo indistinguível –

d’Ele se acercou no intuito de O induzir

ao urgente renascimento do Filho na terra

para uma nova redenção da humanidade.

 

Mas o Pai, absorto em sua onipresença,

olhava para longe, para horizontes alem de horizontes.

A mão esquerda cofiava a barba

e a direita estendia-se até um indemarcável espaço

onde se ocupava em criar outro universo.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Poesia

Antonio Ângelo -
Deixe um comentário