Tamanho da Letra: [A-] [A+]

O Barão se Enganou?

Publicado por Antonio Carlos Santini em Esportes, Lazer e Turismo
data: 18/07/2012

Aí estão as Olimpíadas! Mais uma vez, as nações de todo o planeta enviam seus representantes para uma competição poliesportiva. Como pano de fundo, o doce ideal do Barão de Coubertin, Pierre de Frédy: “O que importa não é vencer, mas competir”.

Quando as equipes entram em campo, é costume executar os hinos das nações que se apresentam. Perfilados, os argentinos cantam:

- “Coroados de glória vivamos

Ou juremos com glória morrer”.

Os gloriosos poloneses explodem a plenos pulmões:

- “A Polônia ainda não pereceu,

Pois nós vivemos aqui.

Por mais que a força estrangeira a tome de nós,

Nós a reconquistaremos com o sabre”.

Nada muito esportivo, parece… A tonalidade marcial aquece o sangue e sugere um próximo combate. E se for a seleção francesa, a coisa se agrava, pois a “Marselhesa” anuncia:

- “O estandarte ensanguentado se ergueu.

Ouvis nos campos

Rugirem esses ferozes soldados?

Vêm eles até nossos braços

Para degolar nossos filhos, nossas mulheres.

Às armas, cidadãos!

Será que o barão se enganou a respeito das verdadeiras intenções dos atletas? O futebol talvez seja o melhor exemplo desse equívoco. Senão vejamos…

O campo (de batalha) se divide em dois territórios: o “nosso” e o “adversário”. O jogo se faz com ataque e defesa. Ataque e contra-ataque. Trata-se de atingir o alvo inimigo e proteger o próprio alvo, onde luta o guarda-valas, isto é, o guarda trincheiras.

A bola (os lusos dizem “pelota”) é um eufemismo, para evitar termos como bomba, obus, mísseis ou baldes de azeite fervente. Quem faz muitos gols é um artilheiro, soldado de artilharia. Um chute forte é um tiro, um canhão, um balaço. No meio campo, os armadores (armas?) municiam os atacantes. Quando se trata de um jogo eliminatório, nós o conhecemos como “mata-mata”. E aí, barão?

Às margens do anfiteatro, dois outros exércitos. Uma legião de fanáticos, vestidos com as cores nacionais, armados de espadas e varapaus, entoam gritos de guerra. Nos países civilizados, durante todo o tempo do prélio, policiais armados ficam voltados de costas para a disputa, tentando evitar conflitos entre essas hordas de torcedores. Como cristão lançado às feras, o pobre árbitro tenta inutilmente coibir excessos agressivos com dois delicados cartões coloridos. E ninguém pode impedir referências desairosas à sua infeliz progenitora.

Ao final da guerra, um grupo se declara vencedor. O outro amarga a derrota. Se houver empate, é só esperar pelo returno, pois os combatentes prometem voltar e começar tudo de novo.

Como diria o irônico barão, “mais alto, mais rápido, mais forte”…

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Esportes, Lazer e Turismo

Antonio Carlos Santini - Licenciado em letras – Português e Francês. Professor de Artes e Ciências Humanas. Evangelizador, compositor, autor de vários livros de catequese e poesia/ Licenciado en letras - Portugués y Francés. Profesor de artes e ciencias humanas. Es evangelizador católico, compositor de músicas religiosas, autor de varios libros de catequesis y poesía. Residente em Belo Horizonte MG
Deixe um comentário